Opinião

Banner - OPINIAO joao barbosa_gestor

A importância de uma rede diversificada

 É senso comum afirmar que uma boa rede de contactos nos ajuda a prosperar na vida. Ter muitos contactos pode significar conseguir trocar informações e influências com um grande grupo de pessoas. Porém, será a quantidade o indicador certo para uma boa rede de contactos? A diversidade, ou seja, ter conexões diferentes e variadas entre si pode contribuir muito mais do que a quantidade. A diversidade proporciona-nos acesso a conhecimento e práticas que nos são desconhecidas, conduz-nos a diferentes ângulos para resolver situações ou interpretar a realidade ao nosso redor. Existe uma correlação entre a inovação e a capacidade de ligarmos os pontos entre diferentes fontes de informação e veículos de conhecimento. É comum tendermos para nos circunscrevermos a uma «bolha» de conteúdos, constituída pelas mesmas pessoas com quem nos cruzamos diariamente e pelos mesmos canais de informação que nos confortam pela sua previsibilidade e circunspecta exigência de atenção e concentração. No entanto, nem sempre é claro quais são as conexões mais relevantes para o futuro. É, por também este motivo, importante ter o máximo de consideração e atenção pelas pessoas com as quais nos cruzamos ao longo da vida; na aparentemente mais remota probabilidade, poderá residir uma boa oportunidade de crescimento pessoal. Cuidar das nossas relações interpessoais é essencial. A construção de uma relação genuína depende, sobretudo, da empatia e capacidade de interiorizarmos como será possível uma colaboração em conjunto, na qual ambas as partes ganhem, em vez de, ao contrário, pensar-se apenas no que cada pessoa conquista com esta relação. Martin Buber (filósofo de origem austríaca) explica este conceito com maior profundidade na sua tese “Eu-Tu e Eu-Isso”: “Eu-Tu” foca o nosso espírito na relação com o outro, enquanto que “Eu-Isso” traduz a propensão para se tratar outra pessoa como um objeto para servir em exclusivo interesses individuais.

Outras notícias em Opinião

  • Do pensamento social cristão

    No artigo anterior, foi afirmado que fazem parte do cristianismo social três realidades fundamentais: a experiência e o saber dos cristãos; o pensamento social cristão;…

  • Se é Deus, vamos matá-Lo!

    Um episódio do Evangelho, que ouvimos recentemente (Marcos 3, 1-6), é difícil de compreender para os humanos, fácil de entender para o demónio. Era um…

  • Alcobaça

    Quem duvida ser Alcobaça terra de encanto? Já Virgínia Vitorino dizia ser esta a terra mais linda do mundo. Os anos vão passando e, às…

  • Books & Movies 2018– Festival Literário e de Cinema de Alcobaça

    Um estreito encontro entre artistas e públicos De 8 a 14 de outubro, Alcobaça recebe, pela 5.ª vez, escritores, realizadores e artistas. O Festival Books…

  • A nova Missa

    O Papa Francisco decidiu que, a partir deste ano, a Missa do dia seguinte à festa de Pentecostes passará a ser a memória litúrgica de…

  • O mundo das pedras vulcânicas

    A recente exortação apostólica do Papa Francisco, dedicada à santidade, evoca o curioso romance de Joseph Malègue intitulado “Pierres noires: Les Classes moyennes du Salut”…

  • Mais uma do Papa Francisco

    Por altura do Natal, as televisões noticiavam que o Papa, nos votos da quadra aos seus cardeais, teve esta contundente frase: “Fazer reformas em Roma…

  • Tiques à portuguesa

    Há fenómenos modísticos de linguagem e de outras naturezas que se manifestam ciclicamente na nossa sociedade. Alguns desses fenómenos esfumam-se com rapidez, outros perduram no…

  • A quem incomodam os achados arqueológicos do parque verde?

    Os achados arqueológicos do Parque Verde estão na ordem do dia. Depois de os ter ocultado à vereação e à população durante semanas, a câmara…

  • Verdade ou mentira

    A recente e ainda actual polémica sobre a Caixa Geral de Depósitos, bem mais que colocar na agenda dos dias a questão da honorabilidade da…