Opinião

Banner_CarlosBonifacio

A quem incomodam os achados arqueológicos do parque verde?

Os achados arqueológicos do Parque Verde estão na ordem do dia. Depois de os ter ocultado à vereação e à população durante semanas, a câmara preparava-se sorrateiramente para tapar e avançar a “todo gás” com o Parque Verde, por não ter mais nada que possa abonar o seu actual mandato.
Todavia, quando a população se apercebeu desta manobra, o Presidente da Câmara recuou e transformou-se no “grande defensor” dos achados para evitar males maiores perante a sua “depauperada” imagem pública. Perante os órgãos de comunicação social reconhece grande valor aos achados, internamente não é tão firme na intenção de os investigar. Em que ficamos Sr. Presidente?
Na realidade, está tudo por definir. A Câmara não sabe como lidar com a situação, está mais tentada a tapar os achados, para concluir o Parque e, talvez, depois um dia, investigar. No entanto, mostra receio das consequências devastadoras que tal decisão vai ter junto da população.
Os achados apontam para um Mausoléu do período tardo-romano muito raro na península ibérica e, por isso, com uma relevância histórica e científica enorme.
Depois do Presidente da Câmara ter rotulado de “demagogos” e “populistas” quem defendia o estudo prévio, vieram reputados académicos defender a importância de investigar os achados arqueológicos do período romano, no imediato! Repondo a ordem natural das coisas.
Na última reunião de câmara, procurou-se tecnicamente defender que o melhor é tapar, para concluir o parque e depois estudar!
A minha posição é inequívoca. Não pactuo com o tapar ou encobrir a estrutura para mais tarde estudar. Não contam com o meu voto para essa decisão.
Defendo inequivocamente, a delimitação de uma área de protecção dos achados. Só aceito o avanço das obras do parque se acontecerem em simultâneo com as escavações e o estudo cientifico dos achados.
Então, Sr. Presidente da Câmara, considera admissível gastar alguns milhões de euros na construção de um parque verde com as necessárias infraestruturas, para depois destruir o que foi construído? Será esta a forma mais correta de gerir os dinheiros públicos? A minha resposta é e será: Não! Não contribuo para a má gestão dos dinheiros públicos!
Para mim, o interesse público e o legado histórico está a acima de qualquer outro tipo de interesses sejam de que natureza for.
Mesmo que seja o único vereador a defender esta posição, garanto que não mudo de campo. Cada um que assuma as suas responsabilidades!

Outras notícias em Opinião

  • Verdade ou mentira

    A recente e ainda actual polémica sobre a Caixa Geral de Depósitos, bem mais que colocar na agenda dos dias a questão da honorabilidade da…

  • Vento ruim

    Um vento ruim sopra do outro lado do Atlântico. Ele, porém, foi prometido. Em regra, as promessas dos políticos, em campanha, são tudo menos terríveis.…

  • Caracteres

    Por razões que os enganos sempre explicam, para aceder à solicitação de colocar em 2.000 caracteres alguma ideia ou reflexão que a actualidade justificasse, dei…

  • Roma Æterna, às portas do Kremlin

    Nos tempos do império romano, falava-se da Roma Eterna, mas foi com o cristianismo que Roma conseguiu verdadeiramente sobreviver à caducidade dos séculos. Inclusivamente, alguns…

  • Batatas, feijões e a loja do cidadão!

    O turismo em Portugal cresce a olhos vistos. A construção de um “Welcome Center”, para receção de turistas, afigura-se-me prioritário para Alcobaça, onde se divulgue,…

  • A porta de vidro de Alcobaça!

    Recentemente a Paróquia de Alcobaça colocou uma porta de vidro na capela do Senhor dos Passos, no mosteiro. Pareceu-me ser um bom melhoramento, um excelente…

  • Ele é um terrorista islâmico?

    O Vasco Mina mostrou-me um “chat” em que participa, no Whatsapp: “Luísa: Vai chegar, no dia 20, uma família da Síria. Temos uma casa que…

  • Recuperar valores em 2017

    A quadra natalícia propicia reflexão. Não querendo ser moralista, julgo que, ao olharmos para dentro, podemos perceber que está na altura de recuperarmos valores como…

  • Segredos da Paz

    Recuemos, neste Natal, ao século VIII antes de Cristo. Nesta viagem no tempo encontraremos o profeta Isaías, que, numa linguagem poética e (passe o pleonasmo)…

  • Missa do Galo na Benedita em 1916

    Faz agora cem anos e já cá não está que me contou, em 1970, esta comovente história. A poeira do tempo apagou alguns detalhes da…