Economia

Jovens valadenses apostam na terra

DSC_0085

“Apostar na terra e naquilo que ela nos dá”. Foi com este conceito em mente que Joel Santos e Eugénia Forreta se lançaram no projeto de criação da empresa AgroSantos, em Valado dos Frades. Perto da Quinta do Campo, numa extensão de 77 hectares, a paisagem está a mudar, com o campo «pintado» de produtos hortícolas, de arregalar os olhos.
“Para já estamos a explorar 30 hectares de couve de coração, lombarda, brócolos, alho francês e milho”. Estas as primeiras plantações do valadense Joel Santos que, aos 30 anos, resolveu arriscar neste setor. A ideia, conforme explica, “nasceu comigo, já estou há 10 anos a trabalhar nesta área, mas sempre convivi com a agricultura através dos meus pais que toda a vida trabalharam a terra”. Depois, “surgiu a oportunidade de arrendar esta quinta e aqui estamos”, conta. Com seis pessoas atualmente a trabalhar na empresa e volvidos cerca de três meses desde as primeiras plantações, começam agora a escoar os produtos, com destino principal para o Mercado Abastecedor de Lisboa, mas também para algumas empresas da região.
“Estamos a trabalhar o escoamento para os mercados”, explica Eugénia Forreta, que ajuda mais na parte administrativa. Segundo Joel, “já temos algumas garantias da produção sair e a perceção do que as pessoas gastam, mas temos noção de que, para além de muito trabalho e dedicação, para vingar interessa a cultura correr bem, para depois se decidir por mais, ou por menos”. O casal que reside na Junqueira, em Alcobaça, admite não ter uma vida fácil, ainda mais sendo o investimento feito pelos próprios e sem qualquer apoio. Porém, acredita o jovem agricultor, “é preciso arriscar e esta é uma área em que, aqui no Valado, ainda poucos o fazem”.
Joel tem ainda o sonho de poder vir a criar uma marca registada, como o nome Hortícolas Valado, perpetuando essa herança rural que lhe está no sangue. “Para já, sinto-me realizado em produzir e vender os produtos que nascem nesta região”, conclui Joel Santos, com os olhos no futuro, mas com os pés bem assentes na terra.

Outras notícias em Economia