Opinião

Banner - OPINIAO Jose maria Andre_professor

Se é Deus, vamos matá-Lo!

Um episódio do Evangelho, que ouvimos recentemente (Marcos 3, 1-6), é difícil de compreender para os humanos, fácil de entender para o demónio. Era um sábado, instituído por Deus como dia de descanso e de oração. Os fariseus desesperavam por um pretexto para acusar Jesus de blasfémia. Nisto, apareceu na sinagoga um homem com uma mão atrofiada. Parecia o cenário ideal para apanhar Jesus em falso… Infelizmente, para os fariseus, eles deviam saber que ninguém consegue passar rasteiras ao Mestre.
Jesus disse ao homem que tinha a mão atrofiada: “Levanta-te e vem aqui para o meio”. E desafiou diretamente os fariseus: “Será permitido ao sábado fazer bem ou fazer mal, salvar a vida ou tirá-la?”. A seguir, Jesus disse ao homem: “Estende a mão”. Ele estendeu-a e a mão ficou curada.
Até aqui, o episódio parece normal. Jesus faz mais um milagre, os fariseus não gostaram, mas não o conseguiram impedir. O habitual. A surpresa vem a seguir: os fariseus saíram dali para se reunir com os herodianos e deliberarem como haviam de O matar. Se Jesus não fosse Deus, não havia problema. A questão é que os fariseus não acreditavam nisso! Uma mão atrofiada não se cura sozinha! Os fariseus sabiam que Jesus fazia milagres e era Deus! Queriam matá-lo por isso. Para um demónio, isto é a coisa mais natural do mundo.
Nas Jornadas Mundiais da Juventude, no Panamá, Francisco falou aos jovens de unidade. Disse-lhes que o demónio tenta semear a divisão, a fé alimenta o espírito de unidade. Que o pai das mentiras prefere pessoas divididas e a brigarem e não gosta de pessoas que aprendem a trabalhar juntas. “O verdadeiro amor não elimina as diferenças legítimas, mas harmoniza-as numa unidade superior – e acrescentou – sabem de quem é esta frase? Do Papa Bento XVI, que está agora a ver-nos na televisão! Saudemo-lo todos, aplaudindo o Papa Bento!”. Francisco deu a pista e a multidão, do Panamá e de todo o mundo, correspondeu com o máximo de algazarra. Felizmente, no meio de tanto desconcerto, no mundo e na Igreja, por vezes saboreamos a grande alegria da unidade.
Esta Jornada Mundial da Juventude terminou de forma memorável: anunciando que a próxima edição vai decorrer em Portugal.

Outras notícias em Opinião

  • Opinião. A “experiência de Cliente”

    Nós, consumidores, clientes, utentes, procuramos adquirir produtos e serviços que reduzam o nosso esforço, custo, ansiedade e risco. Nós queremos conforto, rapidez, benefícios, qualidade, simplicidade,…

  • Namoro na adolescência II

    “Novas tecnologias – desafios à comunicação e qualidade afectiva das relações” Se és adolescente, certamente já viste e usaste estas siglas, Amt, Adrt, Gmdt, Ily,…

  • Estátuas

    Há tempos que não passeava na zona pedonal do rio Alcoa, entre a rotunda das Freiras e a ponte junto à Biblioteca Municipal. Surpreendeu-me a…

  • Do pensamento social cristão

    No artigo anterior, foi afirmado que fazem parte do cristianismo social três realidades fundamentais: a experiência e o saber dos cristãos; o pensamento social cristão;…

  • Alcobaça

    Quem duvida ser Alcobaça terra de encanto? Já Virgínia Vitorino dizia ser esta a terra mais linda do mundo. Os anos vão passando e, às…

  • A importância de uma rede diversificada

     É senso comum afirmar que uma boa rede de contactos nos ajuda a prosperar na vida. Ter muitos contactos pode significar conseguir trocar informações e…

  • Books & Movies 2018– Festival Literário e de Cinema de Alcobaça

    Um estreito encontro entre artistas e públicos De 8 a 14 de outubro, Alcobaça recebe, pela 5.ª vez, escritores, realizadores e artistas. O Festival Books…

  • A nova Missa

    O Papa Francisco decidiu que, a partir deste ano, a Missa do dia seguinte à festa de Pentecostes passará a ser a memória litúrgica de…

  • O mundo das pedras vulcânicas

    A recente exortação apostólica do Papa Francisco, dedicada à santidade, evoca o curioso romance de Joseph Malègue intitulado “Pierres noires: Les Classes moyennes du Salut”…

  • Mais uma do Papa Francisco

    Por altura do Natal, as televisões noticiavam que o Papa, nos votos da quadra aos seus cardeais, teve esta contundente frase: “Fazer reformas em Roma…