Opinião

Banner_AfonsoLuis

Tiques à portuguesa

Há fenómenos modísticos de linguagem e de outras naturezas que se manifestam ciclicamente na nossa sociedade. Alguns desses fenómenos esfumam-se com rapidez, outros perduram no tempo. Um exemplo atual de um fenómeno linguístico que decerto não vai durar muito: comentadores televisivos, sobretudo no campo desportivo, “descobriram” que todos os substantivos são, ou deveriam ser, do género feminino. Assim, é ouvi-los dizer que “o… a Benfica vai defrontar o… a dragão” e que “o… a Sporting venceu o… a Paços de Ferreira”. É de facto uma tortura ouvi-los constantemente a dizer “o… a…” Outro exemplo, este de outra natureza e que tem perdurado no tempo, é a tendência de muitas pessoas do Porto assumirem uma inexplicável atitude de confronto (complexos?) em relação a Lisboa, sustentando que a capital do norte é sistematicamente preterida e até prejudicada pelas decisões tomadas pelo poder central que, como se sabe, está em Lisboa. Este é um tique que vem de longe e que assumiu nos últimos anos particular evidência, a começar no presidente do Futebol Clube do Porto (em Lisboa vivem os mouros) e na maioria dos autarcas da cidade. De tal forma se agudizou este pseudo-antagonismo, que se chega à palermice de não se apontar Lisboa contra o Porto, mas sim o Sul contra o Norte. Lembro-me de ouvir, há muitos anos, na minha profissão, queixas sobre as sedes dos Bancos, alegando que apenas um Banco tinha a sua sede no Porto e todos os outros se encontravam sediados em Lisboa. Na altura, dei-me ao trabalho de verificar o que se passava na Europa, e notei que a maioria dos estabelecimentos bancários tinham sede na capital dos respetivos países. Pois é, a capital deste país é mesmo Lisboa, por muito que custe…
Vem isto também a propósito do que se passou recentemente com a Agência Europeia do Medicamento, e com a candidatura do Porto. Como se sabe, aquela Agência foi para a Holanda e… justamente para a capital, Amesterdão. E o governo português resolveu, sem mais nem menos, mudar a sede do Infarmed de Lisboa para o Porto. Uma cedência pateta, sem sentido, só para acalmar frustrações, despeitos e complexos de algumas pessoas.

Outras notícias em Opinião

  • A quem incomodam os achados arqueológicos do parque verde?

    Os achados arqueológicos do Parque Verde estão na ordem do dia. Depois de os ter ocultado à vereação e à população durante semanas, a câmara…

  • Verdade ou mentira

    A recente e ainda actual polémica sobre a Caixa Geral de Depósitos, bem mais que colocar na agenda dos dias a questão da honorabilidade da…

  • Vento ruim

    Um vento ruim sopra do outro lado do Atlântico. Ele, porém, foi prometido. Em regra, as promessas dos políticos, em campanha, são tudo menos terríveis.…

  • Caracteres

    Por razões que os enganos sempre explicam, para aceder à solicitação de colocar em 2.000 caracteres alguma ideia ou reflexão que a actualidade justificasse, dei…

  • Roma Æterna, às portas do Kremlin

    Nos tempos do império romano, falava-se da Roma Eterna, mas foi com o cristianismo que Roma conseguiu verdadeiramente sobreviver à caducidade dos séculos. Inclusivamente, alguns…

  • Batatas, feijões e a loja do cidadão!

    O turismo em Portugal cresce a olhos vistos. A construção de um “Welcome Center”, para receção de turistas, afigura-se-me prioritário para Alcobaça, onde se divulgue,…

  • A porta de vidro de Alcobaça!

    Recentemente a Paróquia de Alcobaça colocou uma porta de vidro na capela do Senhor dos Passos, no mosteiro. Pareceu-me ser um bom melhoramento, um excelente…

  • Ele é um terrorista islâmico?

    O Vasco Mina mostrou-me um “chat” em que participa, no Whatsapp: “Luísa: Vai chegar, no dia 20, uma família da Síria. Temos uma casa que…

  • Recuperar valores em 2017

    A quadra natalícia propicia reflexão. Não querendo ser moralista, julgo que, ao olharmos para dentro, podemos perceber que está na altura de recuperarmos valores como…

  • Segredos da Paz

    Recuemos, neste Natal, ao século VIII antes de Cristo. Nesta viagem no tempo encontraremos o profeta Isaías, que, numa linguagem poética e (passe o pleonasmo)…