10 meses de Covid: excessos ou a sua falta

Alcina Gonçalves
Empresária - Turismo e Animação

Há um ano que as televisões, jornais e peritos, nos falam de morte, infetados, vacinas, medicamentos, cuidados intensivos, internamentos, Serviço Nacional de Saúde, pressão.
Sinto muito, também vou escrever sobre Morte. Solicitei às Juntas de Freguesia do Concelho de Alcobaça o número de óbitos dos últimos 6 anos (período 2015 a 2020). Juntas, às quais agradeço, que fizeram o favor de me enviar a informação. De notar que são dados em bruto, não trabalhados, e são dados das pessoas que foram sepultadas nos cemitérios. Poderá haver uma variação mínima. Mas acredito que são dados fiáveis. Reproduzo-os no quadro seguinte.

quadro
Confesso que fiquei muito surpreendida com estes dados. Um ano a falar-se de morte em excesso, de morte por covid… Qual não é o meu espanto que a mortalidade em 2020 no Concelho de Alcobaça é uma das mais baixas dos últimos 6 anos. Não foram as medidas do Governo que fizeram com que fosse baixa, porque se confinou em Abril e Maio, quando não havia casos para salvar, para preparar o SNS (coisa que não foi feita). No verão, circulámos, as escolas abriram em setembro, a apanha da fruta aconteceu, as fábricas não pararam, a construção não parou e houve o “maldito” Natal. Porque será que não houve excesso de mortalidade? Estes dados deviam ser estudados, mas ocorre-me logo à partida o seguinte: os nossos lares fizeram um trabalho extraordinário ou então a investigadora Maria Manuel Mota, prémio Pessoa 2013, tinha razão quando disse numa entrevista ao Expresso: “este vírus é relativamente bonzinho”. Outro dado que me chamou a atenção foi o ano 2017, com grande mortalidade, o ano dos grandes incêndios, ano anormalmente quente. O calor mata mais que o covid.
Ouvi várias vezes durante o ano 2020 alguns autarcas falar em desgraça e em catástrofe, o Presidente de Câmara, pessoa que muito estimo, numa entrevista à TV, disse que se tinha abatido uma desgraça sobre o Concelho de Alcobaça porque havia alguns idosos infetados num determinado lar. Fiquei triste, na altura, com estas palavras que considerei exageradas.
Confirma-se que foram exageradas. Não houve no ano 2020, com 10 meses de Covid, nenhuma desgraça no Concelho de Alcobaça. A desgraça, lamentavelmente, virá… com desemprego e muito comércio fechado para sempre.

 

Alcina Gonçalves
Empresária - Turismo e Animação

Uma resposta

  1. Agradeço à Dra. Alcina, pessoa que muito estimo, por esta informação. Na realidade, temos que concluir, tudo tem sido “trabalhado” para nos controlar a vida. Não sei, ou talvez saiba, as razões de todo este “espalhafato”. A liberdade vai-se perdendo e o atrofiamento das pessoas vai-se consolidando. MALDITO SALAZAR…….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Sem-título-1

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

Porto de Mós. O projeto do baile dos pastorinhos

08 Mai | Sáb | 09:00

Leiria. O festival de música

15 Mai | Sáb | 19:30

Teatro José Lúcio da Sílvia, Leiria

Porto de Mós. Caminhada nas Minas da Bezerra e Serra da Pevide

08 Mai | Sáb | 09:30

Serra de Aire e Candeeiros, Porto de Mós

Caldas da Rainha. A exposição da ESAD

06 Mai | Qui | 09:00

ESAD, Caldas da Rainha

Leiria. Conferências de saúde, de economia e de ambiente

05 Mai | Qua | 14:30

Teatro Miguel Franco, Leiria

Alcobaça. Biblioteca convida à conversa com…

10 Abr | Sáb | 11:00

online