Atual

A estranha pergunta

Facebook - OPINIAO josemaria_professor

Esta terça-feira, dia 26 de maio, celebrámos a memória de São Filipe Neri. Ao reler por estes dias uma biografia do santo (“Filipe Neri, o Sorriso de Deus”, de Guilherme Sanches Ximenes, Ed. Quadrante), reparei num estranho episódio, ocorrido há aproximadamente 5 séculos, mas com muito significado neste tempo que atravessamos.
O protagonista viveu os anos duros da Renascença, que dilaceraram a cristandade com as revoltas protestantes e fustigaram a Europa com guerras generalizadas. Estes tempos difíceis foram também uma época de grandes santos, que sacudiram a tibieza e a corrupção da sociedade com propostas exigentes de renovação espiritual. Filipe não foi herege nem reformador austero, foi um santo brincalhão, desconcertante, ao mesmo tempo que um grande santo.
O episódio que me chamou a atenção começou de forma dramática quando Lavinia, mulher de Fabrizio Massimo, amigo de S. Filipe, estava para dar novamente à luz. O casal já tinha cinco filhas, mas o sexto parto ia muito mal encaminhado. Fabrizio recorreu a S. Filipe e este, depois de rezar, tranquilizou-o com toda a segurança: tudo ia correr bem, iam ter um rapaz saudável e deveriam dar-lhe o nome de Paolo. Realmente, tudo aconteceu como previsto.
Catorze anos depois, já a mãe do rapaz tinha morrido e também uma das irmãs, Paolo adoece gravemente. A doença arrasta-se por vários meses e Filipe visita-o todos os dias. Finalmente, o jovem entra em agonia. Filipe foi chamado à pressa mas, como estava a celebrar a Missa, demorou algum tempo e só chegou quando o rapaz já tinha morrido.
A cena é fácil de imaginar: o cadáver inerte sobre a cama, rodeado pelo pai, as irmãs e os vizinhos, a chorar. Filipe ajoelhou-se perto da cama em oração. Rigoroso silêncio. A seguir, pegou num frasco de água benta, aspergiu o corpo e chamou com força: “Paolo! Paolo!”. Paolo abriu os olhos e disse “Padre”. Filipe e Paolo ficaram a conversar um quarto de hora, como se nada fosse, rodeados pelos circunstantes, boquiabertos. A certa altura, Filipe pergunta a Paolo se queria continuar vivo ou se preferia ir para junto da mãe e da irmã, no Céu. Paolo escolheu a segunda alternativa. No processo de canonização, o próprio pai testemunhou o acontecido: “Então, Filipe, na minha presença, deu-lhe a bênção e, impondo-lhe a mão sobre a fronte, disse-lhe –e eu o ouvi–: ‘Vai, sê abençoado e reza a Deus por mim’. E tendo Filipe dito estas palavras, Paolo, com o semblante sereno, sem fazer nenhum gesto, nas mãos desse bem-aventurado sacerdote, na minha presença…, voltou subitamente a morrer”. No castelo da família Massimo celebra-se todos os anos, no dia 16 de março, data do milagre, uma Missa em recordação deste episódio.
Nestes dias, em que talvez morram conhecidos nossos vítimas do coronavírus, nestes dias que abalam o nosso sonho de vir a celebrar 100 anos, em que o espectro da morte nos espreita do lado de lá da porta da casa, Deus pergunta-nos o que preferimos. Um grande amigo meu respondeu-Lhe: “Senhor, deixo a minha vida nas tuas mãos. Sei que escolhereis o que for melhor para mim”.

Outras notícias em Atual