Opinião

Banner - OPINIAO joao barbosa_gestor

A importância de uma rede diversificada

 É senso comum afirmar que uma boa rede de contactos nos ajuda a prosperar na vida. Ter muitos contactos pode significar conseguir trocar informações e influências com um grande grupo de pessoas. Porém, será a quantidade o indicador certo para uma boa rede de contactos? A diversidade, ou seja, ter conexões diferentes e variadas entre si pode contribuir muito mais do que a quantidade. A diversidade proporciona-nos acesso a conhecimento e práticas que nos são desconhecidas, conduz-nos a diferentes ângulos para resolver situações ou interpretar a realidade ao nosso redor. Existe uma correlação entre a inovação e a capacidade de ligarmos os pontos entre diferentes fontes de informação e veículos de conhecimento. É comum tendermos para nos circunscrevermos a uma «bolha» de conteúdos, constituída pelas mesmas pessoas com quem nos cruzamos diariamente e pelos mesmos canais de informação que nos confortam pela sua previsibilidade e circunspecta exigência de atenção e concentração. No entanto, nem sempre é claro quais são as conexões mais relevantes para o futuro. É, por também este motivo, importante ter o máximo de consideração e atenção pelas pessoas com as quais nos cruzamos ao longo da vida; na aparentemente mais remota probabilidade, poderá residir uma boa oportunidade de crescimento pessoal. Cuidar das nossas relações interpessoais é essencial. A construção de uma relação genuína depende, sobretudo, da empatia e capacidade de interiorizarmos como será possível uma colaboração em conjunto, na qual ambas as partes ganhem, em vez de, ao contrário, pensar-se apenas no que cada pessoa conquista com esta relação. Martin Buber (filósofo de origem austríaca) explica este conceito com maior profundidade na sua tese “Eu-Tu e Eu-Isso”: “Eu-Tu” foca o nosso espírito na relação com o outro, enquanto que “Eu-Isso” traduz a propensão para se tratar outra pessoa como um objeto para servir em exclusivo interesses individuais.

Outras notícias em Opinião

  • Não faz falta “usted”

    Esta semana, fez escala em Lisboa um amigo que não via há muito tempo e tem a sorte especial de ser argentino (com ascendentes portugueses)…

  • Da igual dignidade humana

    No artigo anterior foram enumerados os princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo «Compêndio»: dignidade da pessoa humana; bem comum; destino universal dos…

  • O braço de ferro

    Numa homilia de Abril, o Papa falou de lutar com Deus até O conseguir vencer. Não é pouco atrevimento, desafiar Deus para um braço de…

  • A desgraça a que chegou o IC2

    A situação em que se encontra o IC2, entre a Zona do Alto da Serra no Concelho de Rio Maior e Alcoentre no Concelho da…

  • Da Doutrina Social da Igreja

    Entende-se por doutrina social da Igreja (DSI) o conjunto de orientações, para os domínios socioeconómico, político e ecológico, provenientes do Evangelho e de toda a…

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…

  • A ideologia de género

    As referências, muito duras, do Papa Francisco à ideologia de género e o recente discurso, igualmente forte, do representante do Vaticano nas Nações Unidas (9…

  • Um sistema político mais transparente é mais eficiente!

    A política é património dos cidadãos e não se pode resumir aos agentes políticos que apenas exercem um mandato: democraticamente delegado.  A política é a…

  • Opinião. Notre-Dame de Paris

    A catedral de Notre-Dame, em Paris, construída há cerca de 850 anos numa ilha no meio do rio Sena é mais do que uma igreja…

  • Opinião. A “experiência de Cliente”

    Nós, consumidores, clientes, utentes, procuramos adquirir produtos e serviços que reduzam o nosso esforço, custo, ansiedade e risco. Nós queremos conforto, rapidez, benefícios, qualidade, simplicidade,…