Opinião

Banner_CarlosBonifacio

A quem incomodam os achados arqueológicos do parque verde?

Os achados arqueológicos do Parque Verde estão na ordem do dia. Depois de os ter ocultado à vereação e à população durante semanas, a câmara preparava-se sorrateiramente para tapar e avançar a “todo gás” com o Parque Verde, por não ter mais nada que possa abonar o seu actual mandato.
Todavia, quando a população se apercebeu desta manobra, o Presidente da Câmara recuou e transformou-se no “grande defensor” dos achados para evitar males maiores perante a sua “depauperada” imagem pública. Perante os órgãos de comunicação social reconhece grande valor aos achados, internamente não é tão firme na intenção de os investigar. Em que ficamos Sr. Presidente?
Na realidade, está tudo por definir. A Câmara não sabe como lidar com a situação, está mais tentada a tapar os achados, para concluir o Parque e, talvez, depois um dia, investigar. No entanto, mostra receio das consequências devastadoras que tal decisão vai ter junto da população.
Os achados apontam para um Mausoléu do período tardo-romano muito raro na península ibérica e, por isso, com uma relevância histórica e científica enorme.
Depois do Presidente da Câmara ter rotulado de “demagogos” e “populistas” quem defendia o estudo prévio, vieram reputados académicos defender a importância de investigar os achados arqueológicos do período romano, no imediato! Repondo a ordem natural das coisas.
Na última reunião de câmara, procurou-se tecnicamente defender que o melhor é tapar, para concluir o parque e depois estudar!
A minha posição é inequívoca. Não pactuo com o tapar ou encobrir a estrutura para mais tarde estudar. Não contam com o meu voto para essa decisão.
Defendo inequivocamente, a delimitação de uma área de protecção dos achados. Só aceito o avanço das obras do parque se acontecerem em simultâneo com as escavações e o estudo cientifico dos achados.
Então, Sr. Presidente da Câmara, considera admissível gastar alguns milhões de euros na construção de um parque verde com as necessárias infraestruturas, para depois destruir o que foi construído? Será esta a forma mais correta de gerir os dinheiros públicos? A minha resposta é e será: Não! Não contribuo para a má gestão dos dinheiros públicos!
Para mim, o interesse público e o legado histórico está a acima de qualquer outro tipo de interesses sejam de que natureza for.
Mesmo que seja o único vereador a defender esta posição, garanto que não mudo de campo. Cada um que assuma as suas responsabilidades!

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…