Opinião

Banner_AfonsoLuis

A riqueza de Alcobaça

Alcobaça é um concelho rico. A riqueza de um povo não se mede apenas por indicadores económicos, mede-se, fundamentalmente, por indicadores de índole cultural. E, neste aspeto, Alcobaça surpreende.
Todos quantos se deslocaram ao Cine Teatro, na tarde do domingo de Páscoa, dia 8 deste mês de abril, para assistir à I Gala d’O Alcoa, não terão deixado de se surpreender pela força, pela pujança da cultura de um povo, o povo do concelho. O dia 8, que este ano coincidiu com a Páscoa, é data emblemática para Alcobaça, pois foi neste dia, no ano longínquo de 1153, que o nosso primeiro rei fundou a Abadia de Santa Maria de Alcobaça, mediante a correspondente Carta de Couto. A Gala começou justamente com a leitura desse documento. Depois… bom, depois houve de tudo. Música para todos os gostos, arte para regalo da vista, estes os principais ingredientes de quase quatro horas de encanto. Em boa hora, os responsáveis deste jornal deitaram mão ao que de melhor há na região. Com critério, a avaliar pelo elevado nível das atuações. Notou-se como, um pouco por todo o nosso concelho, a cultura, a tradição de um povo brota mais ou menos espontaneamente, sempre sob orientação de gente mais experimentada. Os mais jovens e os seniores encantaram o auditório, uma sala completamente cheia de espetadores e de entusiasmo, e que, por isso mesmo, se terá tornado pequena.
Os apresentadores, gente da casa, foram inexcedíveis no feed back estabelecido e no humor fino exibido. A jornalista Sara Vieira e o diretor adjunto Jero souberam preencher com tato e inteligência todos os tempos do espetáculo. Até a atribuição dos Alcoas d’Ouro às diversas personalidades e instituições da região se processou de forma ligeira, agradável, nos intervalos das atuações.
No final, dizia-me um dos galardoados com um Alcoa d’Ouro que “as televisões transmitem muitas galas que não atingem o nível desta”. E é verdade, por isso muita gente ficou com água na boca, como que a dizer “para o próximo ano venha de lá mais uma”.
Não há dúvida: foi um regalo de gala.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…