Opinião

Banner_ManuelCastelhano_sociologo

Ainda as Eleições Autárquicas…

Passadas algumas semanas sobre as eleições autárquicas e apesar de se terem verificado alterações sintomáticas no quadro do processo sócio-político inerente, a velocidade dos acontecimentos no país e a voracidade da comunicação social já induziram o virar de página sobre o assunto. É assim. A vida é dinâmica, é mudança, é vertigem, sem que tenhamos tempo para retirar as lições que os nossos atos conjuntos evidenciam e que são os melhores indicadores de rumo para o governo da sociedade. E a primeira constatação é que, num período assolado por grandes dificuldades financeiras, os portugueses subjugados por um rigoroso plano de austeridade imposto pelos credores, dão claros sinais de cansaço e mesmo desilusão com a política. Não admira, assim, que o partido da área do governo tenha tido uma pesada derrota. Que o principal partido da oposição tenha disso tirado dividendos, embora com uma vitória incompleta (perdeu câmaras emblemáticas) e que a abstenção tenha atingido níveis nunca dantes verificados em eleições autárquicas. Por outro lado, grandes figuras políticas, candidatas por partidos, viram-se relegadas pelo eleitorado em favor de candidatos independentes. É um sinal claro de que povo não quer a eternização dos políticos na política, e que acredita que na sociedade existem competências alternativas tanto ou mais credíveis do que as propostas pelos partidos. Mas o facto verdadeiramente novo é que os votos brancos ou nulos mais do que duplicaram. Isto é, houve pessoas que se deslocaram às urnas com outra intenção que não a de eleger fosse quem fosse, mas apenas de deixar uma mensagem clara de que algo na governação autárquica não corresponde às suas expectativas. Em Alcobaça as coisas não foram diferentes. O PSD ganhou embora tenha perdido a maioria na Câmara, mas nem por isso o PS soube aproveitar do contexto nacional de crise para se afirmar eleitoralmente no concelho. Em minoria para governar, o PSD fez o que lhe competia: convidar os partidos da oposição para governar em conjunto, o que eles estranhamente declinaram. Esta indisponibilidade é preocupante. Os partidos têm que perceber, de uma vez por todas, que, ou querem servir o país, ou querem manter-se como organizações fechadas e clientelares. E que, se assim for, estão a caminhar irremediavelmente para um cenário de insignificância na cena política nacional.

Outras notícias em Opinião

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…