Opinião

Banner_CarlosBonifacio

Assim vai Alcobaça…

Na última reunião de câmara, foi colocada a votação o protocolo de instalação da loja do cidadão no Mercado Municipal. Votei contra não porque seja contra este tipo de equipamento, mas para ser coerente com aquilo que sempre defendi desde do tempo em que uma câmara do PSD tinha no seu programa a instalação no Mercado Municipal de um serviço de apoio aos turistas na cidade (com posto de turismo, lojas tradicionais e de gourmet, cafetarias, sanitários, zonas de descanso e de apoio) e onde nunca esteve previsto a instalação de quaisquer serviços públicos. De facto, comprova-se que não fui eu que mudei, nem de opinião, nem pensamento estratégico, nem de linha de actuação.
O projecto de reabilitação do Mercado Municipal teve numa Câmara PSD em 2009, financiamento comunitário garantido e o executivo liderado pelo actual presidente da câmara preferiu colocar no lixo e usar parte dessas verbas para intervir no jardim do tribunal com os resultados que hoje conhecemos, com uma escassa fruição, onde nem sequer o edifício destinado a cafetaria se encontra em actividade por falta de interessados. A quase totalidade das verbas destinadas ao mercado foram perdidas, mas todas as obras recentemente realizadas (mudança de cobertura e outras) foram suportadas pelas finanças do município, num acto de gestão reprovável a todos os títulos.
É um erro, fruto da ausência de planeamento estratégico, querer colocar num espaço vocacionado para actividade de pequeno retalho, de apoio à agricultura, e aos milhares de turistas que anualmente nos visitam, um serviço administrativo que vai ocupar mais de 800 m2 do Mercado Municipal (loja do cidadão), sem ter designadamente os problemas de estacionamento resolvidos. Não se pode pretender instalar num espaço com estas características serviços que nada têm a ver uns com outros, quando existem na cidade outros locais indicados para o efeito. É absolutamente inaceitável esta amálgama de conceitos.
Com esta decisão, não sai a ganhar, nem o Mercado Municipal, nem a loja do cidadão, nem a necessidade de criar serviços de apoio aos turistas vindos em autocarros. Com esta confusão de opções quem fica a perder é Alcobaça e o Mercado Municipal, quando esta infraestrutura podia e devia ser a âncora do desenvolvimento turístico da cidade. Assim vai Alcobaça…

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…