Opinião

Facebook---OPINIAOCarlosFidalgo

Breve consideração sobre “Centro Histórico”

Os chamados Centros Históricos são locais que nos transportam no tempo e nos permitem imaginar vivências anteriores. Criados em tempos antigos foram, aos poucos e poucos, adaptando-se às necessidades das comunidades e, não raras vezes, extrapolaram os limites físicos que lhes deram origem.
Muitas vezes edificados ao redor de um edifício eclesiástico, outras partindo de zonas de grande actividade social e económica, as arquitecturas e espaços urbanos acompanhavam o ritmo social, o burburinho de uma qualquer comunidade. Com o decurso do tempo foram sendo criadas zonas de expansão com a inevitável mutação da traça urbana que se foi alterando e adaptando-se, mais uma vez, às necessidades sociais e económicas da comunidade residente. E assim tem sido até ao presente. No entanto, o grande problema que se coloca, e se tem colocado, no âmbito da gestão de alguns centros históricos, prende-se com a insipiente preservação dos mesmos, com maior incidência nas povoações litorais, em que a pressão urbanística se faz sentir com maior vigor.
Em muitos casos, os chamados Centros Históricos vão-se esvaziando da componente social e económica de raiz, dando lugar a reabilitações arquitectónicas mais adequadas à utilização turística e “empurrando” os antigos residentes para zonas periféricas. Perde-se a ligação entre o território, o social e a história que lhe estaria subjacente. É necessário implementar medidas por forma a que os Centros Históricos não fiquem desertos, impedidos de transmitir, geração após geração, a sua memória, a sua identidade.
Os Centros Históricos, hoje, são museus – os que ainda se preservam – para turista ver, viver e/ou usufruir, enquanto que as populações autóctones olham para trás e apenas podem rememorar a vivência do passado. Um centro histórico não o é sem a vertente humana por muito importantes que sejam os monumentos que dele façam parte.

Outras notícias em Opinião

  • Um ano de esperança: 2021

    Desejo a todos os leitores, um bom início de ano! Esperemos que seja um ano de liberdade e sem grandes restrições que nos limitem a…

  • Casa do Relego: desaparecimento e história

    Na vila de Alfeizerão, até há pouco tempo, existia uma casa do Relego. Porém, os seus proprietários decidiram demolir o que restava do edifício. Com…

  • A eleição do ano

    “As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito ao planeta”, escrevi aqui, no dia 12 de Novembro passado. A importância maior destas…

  • Quem aponta a Luz do Mundo?

    No século XVI, a descoberta do alçapão de entrada para umas catacumbas esquecidas, na via Salaria, ofereceu à Igreja um olhar novo sobre a comunidade…

  • Editorial

    O combate à pandemia, como a qualquer crise, evidencia que a solução é a cooperação e não o divisionismo. A vacinação de profissionais de lares…

  • Desafios desta época festiva

    O mês de dezembro é, por norma, uma época de bem-estar, alegria pessoal e familiar. Porém, os convívios natalícios deste ano acabam por estar comprometidos,…

  • Extraordinários. 75 anos d’O ALCOA

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. O mundo vivia uma crise profundíssima, enquanto…

  • Coco, uma opção saudável?

    Será o coco um alimento a integrar na sua dieta? Hidratação, reposição dos sais minerais, regulação do intestino e auxílio no processo de emagrecimento são…

  • O orçamento municipal

    Ouvimos grandes discussões políticas sobre o Orçamento de Estado todos os anos e sabemos que ali estão definidas regras com impacto nas nossas vidas. O…

  • Heranças e tradições familiares

    As heranças e tradições criam memórias inesquecíveis que carregamos, mesmo que inconscientemente. Se fizer uma viagem ao passado, irá ter memórias de infância relativas aos…