Opinião

Banner_CesarSantos

Câmaras Municipais e a criação de emprego!

A estabilização dos mercados mundiais e europeus, acompanhada de uma descida drástica do preço do petróleo, poderá levar à retoma do crescimento do consumo privado na Europa. E, assim, ditar que o ano de 2015 seja o ano de viragem na economia europeia e, por contágio, em Portugal.
O crescimento económico é hoje um imperativo para a economia Portuguesa, uma demanda nacional que deve envolver todos, investidores, trabalhadores, governo, e naturalmente as autarquias locais.
As Câmaras Municipais não devem, nem podem isentar-se deste desígnio nacional, vital para o País e para qualquer economia regional e local.
Para Alcobaça, enquanto concelho, um dos fatores mais importantes na atual conjuntura é a criação de postos de trabalho. Só desta forma é possível assegurar o crescimento de uma economia local equilibrada e sustentável. Só é possível crescer potenciando ou atraindo investimento que leve à criação de emprego.
Na minha opinião, deve a Câmara Municipal ponderar a criação de estímulos para:
1. Atração de novos empreendedores ao concelho, com criação de programas de incentivo. Que podem servir para dinamizar áreas de negócio existentes, ou mesmo, promover a atração de novas áreas.
2. Potenciar o crescimento de empresas do concelho, através de contratos programa com objetivos bem definidos de criação e manutenção de emprego, incentivando a criação de emprego e estimulando a economia local.
3. Também, através da revisão dos preços dos terrenos nas áreas industriais, criando uma tabela de preços indexada à criação e manutenção de emprego, permitindo melhores preços a quem mais emprego criar.
O crescimento económico e a criação de emprego devem assentar no investimento de iniciativa privada. Mas podem e devem as autarquias simplificar, desburocratizar e incentivar o investimento, através de contratos programa com objetivos bem definidos.
Por isso, é vital que o município crie um programa de incentivos e estímulos à economia e à criação de emprego.
Com a ambição de ajudar com transparência, rigor e justiça social para os nossos concidadãos.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…