Opinião

Caracteres

Por razões que os enganos sempre explicam, para aceder à solicitação de colocar em 2.000 caracteres alguma ideia ou reflexão que a actualidade justificasse, dei por mim a escrever sobre o tempo dos mortos, e satisfeito, senão pela qualidade do que havia conseguido escrever, pelo menos pela circunstância de ter conseguido pôr isso tudo em 2.000 palavras.
É evidente que 2.000 palavras não são 2.000 caracteres, mas para quem sempre se habituou a contabilizar a unidade de comunicação em palavras e não noutra medida, o engano tem tanto de evitável como de justificado. Além de que, nascido no tempo dos escribas e não no dos “teclistas”, cada palavra significava um e único gesto de escrita, no sentido de que a caneta pousava no papel para escrever cada uma delas e apenas se levantava no final (exceptuando obviamente aqueles casos em que se tinham de colocar os acentos). Porém, agora, quando escrever significa, por regra, escrever em computador, cada gesto corresponde a uma letra (um caractere), sendo que até os intervalos em branco, correspondendo também ao gesto de premir uma tecla, recebem por igual a designação de espaços/caracteres.
Foi, pois, esta, a única razão para que a reflexão sobre o tempo dos mortos tenha saído em forma de “texto a prestações” e não para que, cada um que tivesse o incómodo de ler esses pedaços de prosa, criasse expectativa quanto ao que a continuação prometia, fórmula esta de gestão do interesse criada há muito pelas telenovelas mas absolutamente dispensável para quem se queira fazer entender ou expressar de forma eficaz, rápida e completa.
É que entre as muitas virtudes que as esperas contêm, decerto que a da revelação em prestações não é uma delas.
Mesmo o Natal esperado durante séculos, teve Revelação num único acto de nascimento. E dando origem a muitas palavras, a verdade é que todo esse mistério cabia, até agora, numa única: o “Verbo”. Mas talvez a partir de agora se tenha de dizer também que o mistério cabe em 5 caracteres.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…