Opinião

Caracteres

Por razões que os enganos sempre explicam, para aceder à solicitação de colocar em 2.000 caracteres alguma ideia ou reflexão que a actualidade justificasse, dei por mim a escrever sobre o tempo dos mortos, e satisfeito, senão pela qualidade do que havia conseguido escrever, pelo menos pela circunstância de ter conseguido pôr isso tudo em 2.000 palavras.
É evidente que 2.000 palavras não são 2.000 caracteres, mas para quem sempre se habituou a contabilizar a unidade de comunicação em palavras e não noutra medida, o engano tem tanto de evitável como de justificado. Além de que, nascido no tempo dos escribas e não no dos “teclistas”, cada palavra significava um e único gesto de escrita, no sentido de que a caneta pousava no papel para escrever cada uma delas e apenas se levantava no final (exceptuando obviamente aqueles casos em que se tinham de colocar os acentos). Porém, agora, quando escrever significa, por regra, escrever em computador, cada gesto corresponde a uma letra (um caractere), sendo que até os intervalos em branco, correspondendo também ao gesto de premir uma tecla, recebem por igual a designação de espaços/caracteres.
Foi, pois, esta, a única razão para que a reflexão sobre o tempo dos mortos tenha saído em forma de “texto a prestações” e não para que, cada um que tivesse o incómodo de ler esses pedaços de prosa, criasse expectativa quanto ao que a continuação prometia, fórmula esta de gestão do interesse criada há muito pelas telenovelas mas absolutamente dispensável para quem se queira fazer entender ou expressar de forma eficaz, rápida e completa.
É que entre as muitas virtudes que as esperas contêm, decerto que a da revelação em prestações não é uma delas.
Mesmo o Natal esperado durante séculos, teve Revelação num único acto de nascimento. E dando origem a muitas palavras, a verdade é que todo esse mistério cabia, até agora, numa única: o “Verbo”. Mas talvez a partir de agora se tenha de dizer também que o mistério cabe em 5 caracteres.

Outras notícias em Opinião

  • Voltaram os profissionais da greve

    Quando as televisões interpelam os utentes dos serviços atingidos por greves obtêm, em regra e infelizmente, respostas como esta, que registei há dias: “Sinto-me muito…

  • A “armadilha” da autenticidade

    Escrevo este artigo no dia 1 de Julho de 2019. Inicia hoje mais uma semana, mais um mês e mais um semestre, o 2º semestre…

  • O retrato da aviadora

    O melhor retrato de Guadalupe Ortiz de Landázuri é ao lado de um avião, com uma amiga, em 1932. Um biplano da época, com um…

  • Não faz falta “usted”

    Esta semana, fez escala em Lisboa um amigo que não via há muito tempo e tem a sorte especial de ser argentino (com ascendentes portugueses)…

  • Da igual dignidade humana

    No artigo anterior foram enumerados os princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo «Compêndio»: dignidade da pessoa humana; bem comum; destino universal dos…

  • O braço de ferro

    Numa homilia de Abril, o Papa falou de lutar com Deus até O conseguir vencer. Não é pouco atrevimento, desafiar Deus para um braço de…

  • A desgraça a que chegou o IC2

    A situação em que se encontra o IC2, entre a Zona do Alto da Serra no Concelho de Rio Maior e Alcoentre no Concelho da…

  • Da Doutrina Social da Igreja

    Entende-se por doutrina social da Igreja (DSI) o conjunto de orientações, para os domínios socioeconómico, político e ecológico, provenientes do Evangelho e de toda a…

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…

  • A ideologia de género

    As referências, muito duras, do Papa Francisco à ideologia de género e o recente discurso, igualmente forte, do representante do Vaticano nas Nações Unidas (9…