Opinião

Banner - OPINIAO Carlos Bonifacio

Casa Museu Vieira Natividade para quando?

Há uns meses equacionou-se a possibilidade de estabelecer um protocolo entre a DGPC (entidade que gere o Mosteiro de Alcobaça) e o Município de Alcobaça no sentido de reabilitar a Casa Museu Vieira Natividade criada por Decreto Lei nº217/92 de 15 de Outubro, como anexo ao criado Museu de Alcobaça em 1985.
Numa primeira análise achei a ideia interessante e uma janela de oportunidades para resolver este dossier que se arrasta há mais de 26 anos. Puro engano o protocolo que foi aprovado em reunião de câmara e na qual me recusei a votar favoravelmente mais não passa de um “faz de conta” e pouco mais é do que folhas em branco dado o seu vazio. Esperava muito mais! Iludi-me que seria desta que a Casa Vieira Natividade seria uma realidade com o envolvimento do Município. Mas não, tudo isto não passa de meras intenções dando a ideia que as coisas vão avançar quando na realidade trata-se de meros considerandos em ano de eleições.
Lendo o protocolo as dúvidas ficam desvanecidas quanto à intenção de levar por diante este projecto, a única intenção prevista no seu articulado resume-se a um entendimento de ambas as partes, DGPC e Município de Alcobaça com o objectivo de desenvolverem no futuro esforços para angariar financiamento comunitário através de uma candidatura do projecto e ou empreitada, designadamente no âmbito do FEDER, (talvez no próximo Quadro Comunitário?) para além da criação de uma comissão cientifica. Francamente é muito pouco para um museu criado no papel há mais duas décadas.
No documento prevê-se ainda um estudo prévio, estimativa de custos, cronograma de obras, devendo os mesmos constar numa adenda ao protocolo a definir no futuro sem qualquer calendarização. Trata-se assim, de um documento inócuo e sem nenhumas responsabilizações.
Confirma-se a falta de determinação em dar passos arrojados e sólidos na concretização deste objectivo. Alcobaça continua adiada e o município devia ter sido mais acutilante e exigente na concretização deste objectivo.
Talvez um dia surja um governo e uma câmara que queiram efectivamente levar por diante este museu e honrar a figura impar do ilustre Alcobacense Manuel Vieira Natividade estudioso e coleccionador que teve continuidade pelos seus filhos António e Joaquim Vieira Natividade.

Outras notícias em Opinião

  • Um caminho por baixo de terra

    Inesperadamente (29 de Junho), o Papa Francisco entregou ao Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, nove fragmentos ósseos de há dois mil anos, provenientes de uma tumba…

  • Voltaram os profissionais da greve

    Quando as televisões interpelam os utentes dos serviços atingidos por greves obtêm, em regra e infelizmente, respostas como esta, que registei há dias: “Sinto-me muito…

  • A “armadilha” da autenticidade

    Escrevo este artigo no dia 1 de Julho de 2019. Inicia hoje mais uma semana, mais um mês e mais um semestre, o 2º semestre…

  • O retrato da aviadora

    O melhor retrato de Guadalupe Ortiz de Landázuri é ao lado de um avião, com uma amiga, em 1932. Um biplano da época, com um…

  • Não faz falta “usted”

    Esta semana, fez escala em Lisboa um amigo que não via há muito tempo e tem a sorte especial de ser argentino (com ascendentes portugueses)…

  • Da igual dignidade humana

    No artigo anterior foram enumerados os princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo «Compêndio»: dignidade da pessoa humana; bem comum; destino universal dos…

  • O braço de ferro

    Numa homilia de Abril, o Papa falou de lutar com Deus até O conseguir vencer. Não é pouco atrevimento, desafiar Deus para um braço de…

  • A desgraça a que chegou o IC2

    A situação em que se encontra o IC2, entre a Zona do Alto da Serra no Concelho de Rio Maior e Alcoentre no Concelho da…

  • Da Doutrina Social da Igreja

    Entende-se por doutrina social da Igreja (DSI) o conjunto de orientações, para os domínios socioeconómico, político e ecológico, provenientes do Evangelho e de toda a…

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…