Comércio local. A pandemia criou obstáculos e desafios aos lojistas alcobacenses

Neuza Santos
Jornalista Estagiária

Com o desconfinamento a avançar, O ALCOA foi saber, junto de alguns estabelecimentos comerciais de Alcobaça, como correm as vendas e quais as perspetivas para os meses de verão. Desde lojas de roupa até restaurantes, todos anseiam por dias mais trabalhosos e com turistas a encher as ruas.

Pedro Fialho
24 anos
Gianna Sapatarias

Sentimos que as vendas estão a mexer muito lentamente, pois são cada vez menos turistas e o confinamento veio desestabilizar o negócio.
Se o número de turistas aumentar, acredito que vai haver melhorias.

Teresa Machado
57 anos
Restaurante A Casa

Todos os pratos têm de ser feitos no momento, por isso não fazia sentido trabalhar ao postigo nem ao take-away. Queremos ser otimistas e mantermos a expectativa elevada, vamos ver se conseguimos atingir os objetivos.

Joaquim Vicente
67 anos
Loja Império

O fecho de Lisboa afetou-nos. São três milhões de habitantes que iam passar os fins de semana a outras regiões. Assim, o comércio ficou totalmente parado.
Não sou contra as medidas impostas, se nada fosse feito ninguém podia sair à rua. Em relação aos próximos meses, é preciso ter fé.

Madalena Ribeiro
65 anos
Ourivesaria Martinho | Ótica Martinho

Durante este confinamento, foi permitida a abertura da ótica.
No ramo da ourivesaria, as vendas não entraram no ritmo normal, porque é um negócio que vive das festas, já que as pessoas têm mais tendência a comprar joias quando há festas de aniversários, batizados e casamentos.

Cláudia Bernardes
45 anos
Cláudia Bernardes Cabeleireiros

As vendas têm corrido bem. Não senti nenhum impasse causado no pós-confinamento.
Só espero que não haja nenhum recuo nas medidas para que possa realizar as marcações já feitas para os penteados dos casamentos.

José Santos
63 anos
Nazário & Santos

As vendas estão a ser muito más neste momento. Sentimos que o pós-confinamento, ou seja, o comércio ao postigo foi mais rentável.
Se tivesse o dinheiro da «bazuca» ,pagava aos fornecedores.

José Vieira
60 anos
A Cortina Comércio de Cortinados Limitada

Só comecei a vender quando tive autorização para abrir as portas aos clientes.
Até ao mês de julho, as vendas estão a ser razoáveis, ninguém sabe como irão ser os próximos meses.

Anália Rodrigues
42 anos
Miminhos de Encantar

As vendas online correram melhor na loja da Benedita, sentimos que os alcobacenses não aderiram a este método de compra.
As vendas ao postigo foram mais satisfatórias do que agora, tendo em conta a situação vivida, talvez porque, no início de abril, os centros comerciais estavam fechados.

Marisa Bento
34 anos
Padaria e Pastelaria Dom José

Com o passar do tempo, as pessoas começaram a ganhar confiança para aqui vir. Por isso, já se notam algumas melhorias.
Optámos por fechar durante alguns meses porque não tínhamos transporte, nem capacidade humana para fazermos entregas ao domicílio.

Liliana Faria
43 anos
Clínica de Calçado

Apesar de haver uma quebra das vendas, houve um aumento da procura no reparo do calçado.
Sou muito positiva, estou sempre à procura de soluções. Por isso. acho que os próximos meses irão correr bem.

Saiba mais na edição impressa e digital de 8 de julho de 2021.

Neuza Santos
Jornalista Estagiária

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found