Opinião

Banner_AfonsoLuis

Como vai ser 2015?

Nuvens negras. Nuvens muito negras pairam sobre o nosso velho país. Como se não bastasse uma economia débil e estagnada, abate-se sobre nós o inacreditável escândalo do BES/GES e o novo problema da Portugal Telecom. De dois grupos até há pouco considerados emblemáticos na economia portuguesa, um implode e o outro sofre um rombo enorme. Do grupo BES/GES foi assegurado inicialmente pelo governo que não haveria dinheiros públicos envolvidos e que, por isso, os contribuintes não seriam chamados a suportar custos. Vislumbra-se agora um recuo, pois haverá com toda a certeza auxílios do Estado a considerar. Este é um caso típico de imoralidade cujos custos acabarão por recair em cada um de nós. Tal como foi o caso do BPN, cujos responsáveis, quase todos ligados à política, acabou por lançar um anátema, de certa forma injusto, sobre todos os políticos. Já a PT, empresa considerada modelo de telecomunicações a nível internacional, e que se projetava a outros e mais altos patamares com a (fracassada) fusão com a brasileira OI, acaba por sucumbir devido a uma operação ruinosa envolvendo justamente o grupo BES/GES.
De tudo isto ressalta a consideração de estarmos perante grandes imoralidades e de grandes incompetências. Imoralidades dos ricos gestores que delapidaram o que não lhes pertencia e incompetências de quem tinha a obrigação de velar pelo cumprimento correto das regras e não “viu” nada. Mas há um outro aspeto a considerar: a impunidade. A experiência diz-nos que toda esta gente vai ficar impune. Veremos…
Logo, 2015 e os anos seguintes vão ser, de novo, anos de sacrifício para o povo português. E não é de excluir que venha aí mais um resgate. É uma hipótese muito provável, dizia-me há poucos dias um economista, considerado um dos gurus da nova geração. Como diz o povo: “uns comem e os outros pagam”. Pobre Portugal, o que gente gananciosa faz de ti.

Outras notícias em Opinião

  • Um ano de esperança: 2021

    Desejo a todos os leitores, um bom início de ano! Esperemos que seja um ano de liberdade e sem grandes restrições que nos limitem a…

  • Breve consideração sobre “Centro Histórico”

    Os chamados Centros Históricos são locais que nos transportam no tempo e nos permitem imaginar vivências anteriores. Criados em tempos antigos foram, aos poucos e…

  • Casa do Relego: desaparecimento e história

    Na vila de Alfeizerão, até há pouco tempo, existia uma casa do Relego. Porém, os seus proprietários decidiram demolir o que restava do edifício. Com…

  • A eleição do ano

    “As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito ao planeta”, escrevi aqui, no dia 12 de Novembro passado. A importância maior destas…

  • Quem aponta a Luz do Mundo?

    No século XVI, a descoberta do alçapão de entrada para umas catacumbas esquecidas, na via Salaria, ofereceu à Igreja um olhar novo sobre a comunidade…

  • Editorial

    O combate à pandemia, como a qualquer crise, evidencia que a solução é a cooperação e não o divisionismo. A vacinação de profissionais de lares…

  • Desafios desta época festiva

    O mês de dezembro é, por norma, uma época de bem-estar, alegria pessoal e familiar. Porém, os convívios natalícios deste ano acabam por estar comprometidos,…

  • Extraordinários. 75 anos d’O ALCOA

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. O mundo vivia uma crise profundíssima, enquanto…

  • Coco, uma opção saudável?

    Será o coco um alimento a integrar na sua dieta? Hidratação, reposição dos sais minerais, regulação do intestino e auxílio no processo de emagrecimento são…

  • O orçamento municipal

    Ouvimos grandes discussões políticas sobre o Orçamento de Estado todos os anos e sabemos que ali estão definidas regras com impacto nas nossas vidas. O…