Opinião

Editorial

O arco-íris da união

“Somos todos diferentes, mas se estivermos unidos, juntos fazemos o arco-íris”.

O desafio foi lançado na missa de Domingo de Ramos pelo P. Carlos Jorge, pároco de Alcobaça e coordenador-geral d’O ALCOA. E tem vindo, muitas vezes à minha mente, nos últimos dias por diversas razões e acontecimentos.
Desde logo porque me maravilha a diversidade criadora de Deus. Sim, é um facto: Deus gosta da diferença.
Não se cansou de inventar e, a Seu exemplo, a natureza continua sempre a reinventar-se. Não há dois planetas iguais, duas montanhas iguais, dois irmãos iguais.
A Sua imaginação amorosa chegou ao limite de diferenciar as impressões digitais de cada um.
E é nessa infinitude de diferença que o Senhor Jesus lançou o grande desafio da comunidade. Da comunhão na diversidade.
Diferentes sim. Com cor de pele diferente, com ideias diferentes, com pontos de vista diferentes, mas juntos. Em redor do Pastor: “Quem não está comigo está contra mim, e quem não junta comigo, dispersa” (Lc 11, 23).
Mas, como se diz, “na prática, a teoria é outra”.
É tão fácil na prática esquecer que o Senhor gosta da diversidade, ceder à tentação do unanimismo, do silenciar das diferenças. Bem como, pelo contrário, ceder à tentação da divisão, não juntar, dispersar.
Ora em Domingo de Páscoa, O ALCOA celebrou o Senhor da Diversidade e da Comunhão.
A I Gala d’O ALCOA foi uma homenagem à comunidade, feita pela união de boas vontades, pela variedade de artistas e personalidades, pela lotação esgotada do espaço e do coração. Para a região. Para todos.
Um arco-íris de união.
Pois é lá que o Senhor está mais presente, que a vida sabe melhor, que a dor é mais leve, que a felicidade é mais plena. Que as dificuldades de se vencem de mãos dadas. Que a individualidade de cada um mais brilha.
É lá. No arco-íris da união.
Vem daí!

Ana Caldeira, diretora

Outras notícias em Opinião