Opinião

Banner_RuiRasquilho

Estátua de D. José

No dia 6 de junho de 1775, três anos após a grande cheia que afetou os Coutos no outono de 1772 (1) foi inaugurada na Real Praça do Commércio em Lisboa a estátua equestre do Rei D. José I. Treze dias depois, a 18 de junho, o Abade Geral de Alcobaça e Esmoler-mor do Reino Frei Manuel de Mendonça, primo do primeiro-ministro Sebastião Melo, Marquês de Pombal, determinou que fosse comemorada a inauguração do monumento. Frei Manoel de Figueiredo relata a ordem nestes termos: «Para solenemente na Real Igreja do seu Mosteiro de Alcobaça darem os cistercienses a Deos as graças pelos felicíssimos anos do Senhor D. José I de Portugal, o pai dos seus vassalos, o amado dos portuguezes, e o respeitado de todas as nações» (2).
Seriam 9h00 quando se iniciou a Missa Pontifical, presidida por Frei Bernardo Osório com a igreja cheia de povo, a nobreza da vila, a câmara de Alcobaça e o ouvidor dos Coutos.
No Terreiro do Mosteiro dezasseis Companhias das Ordenanças dos Coutos formaram em frente à Igreja sob as ordens do sargento-mor Brazão das Neves.
Os monges do Real Mosteiro e também do Colégio de Nª Senhora da Conceição festejaram o acontecimento conjuntamente com o povo desde a véspera até ao começo da noite do dia 18.
O colégio (na ala sul), a hospedaria (na ala norte), a fachada da igreja e torres foram iluminadas enquanto houve repique de sinos. Os melhores músicos da comarca deram um concerto e no Colégio havia uma longa mesa com doces e frutas. Às cinco da tarde iniciou-se (na sala das conclusões) a Assembleia Académica iniciando a sessão com um sonata. Um registo de autoria no documento seguindo-se um role de conferencistas, que falaram em português, latim e hebraico, havendo sempre um número musical entre as palestras. As cerimónias terminaram às 10 horas da noite com vivas ao Rei e ao Primeiro-ministro “responsável pela prosperidade da nação portuguesa”.

(1) Santos, Frei Manuel – Respostas às 193 interrogações da Academia de Ciências de Lisboa.
(2) Santos, Frei Manuel – Relação das ações com que no Real Mosteiro de Alcobaça (…) celebrando-se a inauguração da Estátua Equestre, etc. Ano MDCCLXXV.

Outras notícias em Opinião

  • Lista de compras: uma tarefa para o seu dia

    A população portuguesa, e não só, está a passar por um período extremamente difícil e sensível. A saúde, bem como a saúde, estão em risco.…

  • O que posso fazer para me sentir melhor de quarentena em casa?

    Caro leitor, cara leitora, Durante os últimos dias, tem sido visível a quantidade de notícias que surgem nas televisões e nas redes sociais, sobre o…

  • Testemunho. Uma jovem fala como vive a atual quarentena

    Acho giro como o mundo lá fora anda tão silencioso, as pessoas tão bem-educadas e reservadas. Mas basta um suspiro, um sorriso, um olhar para…

  • Televisão em Alcobaça no início das emissões

    A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia…

  • Nas ruas desertas de Roma

    A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo. Saindo a…

  • Papagaios, abutres e gente boa

    As calamidades trazem sempre à tona qualidades e defeitos das gentes que as vivem. Aquela em que nos encontramos já nos “revelou” que há na…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários desta vez são obviamente os…

  • “Una e santa”

    Pelo menos na Eucaristia de Domingo, no Credo, os católicos confessam que confiam na Igreja una e santa mas, perante a quantidade de protestos que…

  • Vamos açambarcar

    Está aí o Covid-19. Como tantas outras alturas de ameaça de crises, vamos lá a açambarcar. Dei por isto na passada semana quando fui ao…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários da nossa região são do…