Évora. Lagares de azeite são património ímpar da freguesia

Foto por Catarina Reis / Alice Carvalho

Alguns já desapareceram, outros ainda vão resistindo, adaptando-se e modernizando-se. Os lagares de azeite são um importante património histórico e económico da região. Embarque nesta viagem e descubra saberes de ontem e de hoje.

Alguns já desapareceram, outros ainda vão resistindo, adaptando-se e modernizando-se. Os lagares de azeite ainda são um importante património histórico e económico da região. Embarque nesta viagem e descubra este tesouro.
Fazer azeite é uma arte. Uma arte que Manuel Carreira, de 64 anos, e a sua família, esposa, filhos, sobrinhos e cunhada conhecem bem, detentores do lagar centenário, situado em Chãs, Évora de Alcobaça.

Manuel Carreira também tem uma produção própria, para vender ao consumidor final e a alguns estabelecimentos comerciais. “Este ano, o azeite não é ruim, não há é mercadoria para vender”, remata.
Também o Lagar do Zambujal, nos Carris de Évora, com cerca de 120 anos, é um dos poucos que resta no concelho e que ainda transforma o azeite “à moda antiga”.

De valor patrimonial é também o Lagar dos Moleanos, na estrada Maria Pia, adquirido em junho de 1993, pelo Rancho Folclórico dos Moleanos. Lagar que foi reconstruído há 80 anos, mas que já trabalhava antes dessa data, sendo considerado “fora de série”, por  trabalhar com maquinaria avançada para a época e sempre com muita atividade.

Manuel Carreira - Chãs (36) IMG_9333 IMG_9323 Armando da Silva Rei - Casal da Charneca (53) Armando da Silva Rei - Casal da Charneca (13) IMG_9374_COR

Saiba mais na edição impressa e digital de 10 de dezembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found