Opinião

Banner_AfonsoLuis

Mais que políticos

Desapareceu de cena um grande homem. Grande na coragem, vinte e sete anos na prisão, grande na capacidade de perdoar, reconciliado com os homens e com a vida. Um grande homem e um grande político. Aliás, mais que político. Nelson Mandela.
O século XX presenteou-nos com quase uma dúzia de grandes homens, alguns mais que políticos: MAHAMATA GANDHI, WISTON CHURCHILL, MARTIN LUTHER KING, MIKHAIL GORBACHEV, JOÃO PAULO II, MADRE TERESA, ANG SUU KYI, DE KLERK, DALAI LAMA e o nosso conhecido XANANA GUSMÃO. Junte-se a esta plêiade o nome de NELSON MANDELA.
Quando o mundo se apercebeu verdadeiramente da injustiça de que ele era vítima, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou uma moção, em 1987, exigindo a libertação de Mandela e o fim do apartheid. A moção foi aprovada por 127 votos a favor, algumas abstenções e três votos contra. TRÊS. Três votos contra a libertação deste grande homem feito mártir por um regime de terror para todos aqueles cuja pele não tinha a cor branca. Foram os seguintes os três países que votaram contra: os Estados Unidos (do republicano Ronald Regan), a Inglaterra (da conservadora Margaret Tatcher) e Portugal (do Primeiro Ministro Cavaco Silva). E se estes países alinham agora no coro de elogios fúnebres a Nelson Mandela há que considerar que os Estados Unidos são hoje dirigidos pelo democrata Barac Obama, a Inglaterra pelo conservador David Cameron (que não a ultra Tatcher) e Portugal… bom, Portugal tem como Presidente da República o Primeiro Ministro desse tempo. Que afirmou, no dia seguinte à morte do extraordinário líder sul-africano, tratar-se de um homem “de uma estatura humana, uma estatura moral, que nós consideramos muito acima de nós”. Estas palavras de Cavaco Silva poderiam levá-lo a engolir a ordem que deu em 1987, contra a libertação de Mandela, mesmo tendo em consideração as razões ditadas pela “real politik”. Uma abstenção era sempre melhor… É assim a vida, há políticos de ESTATURA ímpar, os mais que políticos, e há políticos de ESTRUTURA medíocre, farisaica

Outras notícias em Opinião