Opinião

Banner_ines silva

Manoel de Oliveira e a essência das coisas

Levei pela primeira vez alunos ao cinema em 1992, ano em que fiz o estágio pedagógico numa escola do Porto, integrado no quinto ano da licenciatura. Filme escolhido: “O dia do desespero”, de Manoel de Oliveira. Unidade didática do programa de português: conto literário de Camilo Castelo Branco.
A sala de cinema estava praticamente vazia. Os alunos estranharam o facto e comentaram-no. Pedi-lhes apenas que se acomodassem à cadeira e à estética cinematográfica de Manoel de Oliveira, e que procurassem, a partir da tela, compreender a essência da vida e morte de Camilo Castelo Branco. “Manoel de Oliveira vai ser o vosso professor”, disse-lhes.
Entrei pela primeira vez na casa de Manoel de Oliveira em 2014, ano de estreia do Books & Movies. Motivo: convidar o cineasta a vir a Alcobaça, para uma homenagem que a cidade gostaria de lhe prestar. No ano da estreia de um festival que pretende valorizar a arte literária e a arte vídeo, a escolha (unânime) recaiu em Manoel de Oliveira.
O dia estava solarengo, a Foz do Porto luminosa. Subi ao andar do cineasta na companhia de um dos seus filhos e do seu primo Alberto Magalhães. Encontramo-lo junto à mulher. Manoel de Oliveira voltou a ser professor – professor de uma vida artística singular, traduzida por uma voz calma, um olhar certo, uma respiração comovente. Ensinou-me, em poucos minutos, o que pode ser uma vida. Sentado em frente a uma janela por onde se via uma cidade inteira, ele revelou-se um mundo inteiro.
Na impossibilidade de se deslocar a Alcobaça, ofereceu à cidade o seu sorriso, o seu agradecimento e a sua assinatura numa peça em acrílico, que foi colocada no Cine-teatro de Alcobaça, lugar de artes por excelência.
É, de facto, na arte, que se encontra a essência das coisas.
Muito obrigada, Manoel de Oliveira!

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…