Opinião

Facebook - OPINIAO josemaria_professor

Nas ruas desertas de Roma

A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo.
Saindo a pé do Vaticano, a primeira etapa foi na igreja de Santa Maria Maior, aonde tem ido antes de cada viagem apostólica e aonde regressa sempre, no final de cada viagem, para agradecer. Aí, no altar de Nossa Senhora, depositou um ramo de flores, como faz todas as vezes. A seguir, dirigiu-se à igreja de S. Marcelo, numa reentrância da Via del Corso, bem no centro de Roma, para rezar diante de um crucifixo antigo e deixar outro ramo de flores sobre o altar.
Era a tarde pacata do passado domingo, 15 de março. Vê-se que o Papa caminha com desconforto e as distâncias são grandes, para quem se desloca com dificuldade. As igrejas, fechadas e vazias, abrem-se propositadamente para o receber. Em cada uma, apenas o recebem os sacerdotes responsáveis.
Nestes tempos estranhos de reclu-
são, de medo e de sofrimento para alguns, o Papa pediu aos católicos que rompessem o individualismo, para se abrirem de forma nova a Deus e aos outros. O isolamento físico tem de transformar-se em oportunidade de chegar a mais pessoas. Em resposta a este apelo, multiplicaram-se na internet os materiais para fazer oração e para acompanhar os textos da Eucaristia diária. O site www.vaticannews.va transmite todos os dias a Missa celebrada pelo Papa na capela de Santa Marta. Nalgumas cidades italianas e de outros países, os bispos e os párocos, sozinhos ou acompanhados por um acólito, também percorreram as ruas desertas do seu lugar, rezando por todos. Alguns deles, levando o Santíssimo Sacramento em procissão, como na festa do Corpo de Deus, desta vez sem o acompanhamento do povo.
Falando especificamente da Lombardia, o Papa recordou o bispo de Milão, no terraço da catedral, sozinho, a rezar diante da imagem de Nossa Senhora que está no cimo do pináculo mais alto. Isso é, dizia o Papa, “estar perto do povo”. Francisco elogiou também “a criatividade de tantos padres. Chegam-me notícias da Lombardia a contar esta criatividade. (…) Felizmente há padres que inventam mil modos de continuar próximos do seu povo, para que este nunca se sinta abandonado. Sacerdotes com zelo apostólico”.

Outras notícias em Opinião