Cultura

Niels Fischer traz Hans Christian Andersen a Alcobaça

IMG_2021

A minha mulher faleceu há alguns anos. Nunca tivemos filhos e juntámos algum dinheiro. Um dia olhei-me ao espelho e pensei: Niels Fisher, estás a ficar velho. O que vais fazer? E gastei tudo para fazer uma coisa que se enquadrasse nos meus ideais”, conta o responsável pela exposição Hans Christian Andersen, em Portugal, patente na galeria de exposições do Armazém das Artes até 3 de agosto. A exposição começou, em Portugal, no dia 5 de maio de 2005 e, Alcobaça é 57º lugar por onde passa.
A falta de conhecimento que existe em Portugal sobre o dinamarquês Hans Christien Andersen, levou Niels Fischer a querer divulgá-lo melhor em Portugal, financiando por completo a exposição. “A única coisa que peço às entidades competentes dos sítios por onde passo é um espaço que considerem digno para a exposição, visitantes, organização, serviço técnico das oficinas das câmaras municipais, etc. Dinheiro não”, explica Niels Fischer. “O que importa é que as pessoas dos sítios por onde passam queiram colaborar”, sublinha o dinamarquês de 78 anos de idade.

 

(Saiba mais na edição em papel de 24 de julho de 2014)

Comentários (2)

  • maria Lacerda - Mitu - 30 de Novembro de 2015, 21:48

    Tio Nils
    SAUDADES de si e da Tia M. Amélia. Tao pouco tempo due vivência…
    UM DINAMARQUÊS EM PORTUGAL. Beibbjos à Tia, à minha Mae e meu Paid.

  • Mª Trindade Marques - 25 de Janeiro de 2015, 15:17

    Hoje- 25 de Janeiro de 2014) Niels Fisher deixou de estar entre nós!
    Através do seu projeto de Exposição ” Hans Christian Andersen” ficou-nos o exemplo da grande e autêntica generosidade do seu incansável trabalho de divulgação. Empenhava-se para que a Exposição gerasse uma dinâmica de inclusão social apelando à participação e criatividade de todos os visitantes.
    E conseguiu: na Torre do Tombo, em 2013, testemunhei a Exposição mais visitada e dinamizada por professores e alunos!
    Quantas vezes nos repetia: se não há participação uma Exposição não serve para nada!
    Obrigada, Niels

    Até sempre!

Outras notícias em Cultura