Opinião

Banner_RuiRasquilho

No interior dos séculos

Quem quiser estudar seriamente a história da Ordem de Cister tem de imediato colocar a pergunta: o que sabemos dos tempos primitivos da Ordem? E a resposta terá de ser, pouco, muito pouco. Felizmente P. Lekai escreveu os “Monges Brancos” e P. E. Willems o “Esquiço da Ordem de Cister” abrindo com estes trabalhos um longo caminho aos verdadeiros investigadores. A Doutrina Cristã, a Liturgia, a Santa Escritura e a Espiritualidade Monástica foram tratadas depois do Capítulo Geral de 1953, mas a história da Ordem levou mais algum tempo iniciando-se durante os anos 60. O monaquismo dos séc. III e IV, a vida contemplativa da Igreja antes de Cister, será naturalmente a base introdutória para compreender a viragem do séc. XI para o XII quando o Mosteiro de Cister, o novo Mosteiro se constitui na primeira Casa da Ordem. Com a entrada do Cavaleiro Burgonhês Bernardo de Fontaine, futuro Abade Claraval e Santo da Igreja, abre-se um novo período que podemos balizar em 1198 com o Papa Inocêncio III. A Ordem atinge um século de vida no qual haverá de realçar sessenta e cinco anos, contados entre 1109 e 1165 período de organização dos Cistercienses marcado por S. Harding e pela sua Carta de Caridade unanimemente considerado o documento constitutivo da Ordem. Entre os Papas Inocêncio III e Bonifácio VIII, melhor dito entre 1189 e 1294, desenrola-se o segundo século cisterciense. Aqui chegados e olhando retrospetivamente, para além naturalmente do seu nascimento e aceitando 1494 como data final da Idade Média, a história de Cister teve até então dois momentos altos. O século de S. Bernardo e o vulgarmente conhecido segundo século cisterciense. Daqui até à extinção das Ordens em França – já haviam sido extintas na Inglaterra de Henrique VIII, no final no séc. XVIII. O mundo foi social e politicamente convulsionado afetando normalmente a Ordem que construiu o complexo monástico de Alcobaça, que abandona em 1833. Pois bem, estas são as grandes linhas incontornáveis para quem estude as diversas vertentes da poderosa Ordem onde pontificaram notáveis personalidades da história geral da igreja Católica.

Outras notícias em Opinião

  • Lista de compras: uma tarefa para o seu dia

    A população portuguesa, e não só, está a passar por um período extremamente difícil e sensível. A saúde, bem como a saúde, estão em risco.…

  • O que posso fazer para me sentir melhor de quarentena em casa?

    Caro leitor, cara leitora, Durante os últimos dias, tem sido visível a quantidade de notícias que surgem nas televisões e nas redes sociais, sobre o…

  • Testemunho. Uma jovem fala como vive a atual quarentena

    Acho giro como o mundo lá fora anda tão silencioso, as pessoas tão bem-educadas e reservadas. Mas basta um suspiro, um sorriso, um olhar para…

  • Televisão em Alcobaça no início das emissões

    A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia…

  • Nas ruas desertas de Roma

    A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo. Saindo a…

  • Papagaios, abutres e gente boa

    As calamidades trazem sempre à tona qualidades e defeitos das gentes que as vivem. Aquela em que nos encontramos já nos “revelou” que há na…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários desta vez são obviamente os…

  • “Una e santa”

    Pelo menos na Eucaristia de Domingo, no Credo, os católicos confessam que confiam na Igreja una e santa mas, perante a quantidade de protestos que…

  • Vamos açambarcar

    Está aí o Covid-19. Como tantas outras alturas de ameaça de crises, vamos lá a açambarcar. Dei por isto na passada semana quando fui ao…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários da nossa região são do…