O drama ambiental do Casal da Areia

Numa das últimas reuniões de Câmara esteve presente um casal de residentes do Casal da Areia, para apelar ao executivo que os ajudasse a por cobro ao inferno em que vivem, em relação à laboração da fábrica das “Pellets” que tem provocado aos moradores daquele lugar, ruido, vibrações e poluição, reduzindo aos mínimos a sua qualidade de vida.
Este foi um apelo quase dramático que sensibilizou todo o executivo. De facto, este problema tem provocado nos seus habitantes um desgaste psicológico insustentável, levando à degradação e desvalorização do seu património que nalguns casos são o investimento de uma vida.
Mas também as empresas que laboram nesta zona industrial têm sofrido com as cinzas e o pó que têm colocado sistematicamente problemas às unidades com máquinas de maior precisão.
Este é um problema grave que está também a afectar o sistema de águas pluviais desta zona industrial. As soluções para atenuar esta situação são muito dispendiosas e de difícil execução, por isso, não se vislumbra uma solução consistente a médio prazo.
Foi claramente um erro da Câmara no anterior mandato, ter autorizado a instalação de uma indústria com estas características na zona industrial do Casal da Areia. Creio que, não houve uma avaliação correcta desta situação, isto porque, no passado já tinha sido inviabilizada a instalação de uma empresa com a mesma actividade nesta zona industrial.
Naturalmente que são sempre bem-vindas novas empresas ao Concelho, mas não pode ser a qualquer custo. A diplomacia económica a todo o tipo de industrias tem limites, nomeadamente em áreas que afectam populações.
Perante este drama, cabe à Câmara Municipal de Alcobaça até por razões morais, empenhar-se activamente na solução deste grave problema e ajudar as populações que estão a sofrer um drama ambiental inaceitável, num Concelho que deve ser uma referência ao nível da qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found