Opinião

Banner - OPINIAO Jose maria Andre_professor

O preço da santidade

O Papa Francisco deu um passo decisivo para a canonização do Prof. Jérôme Lejeune, o mais importante geneticista do século XX, com o decreto de reconhecimento das suas virtudes heroicas. O elemento essencial de um processo de canonização é este reconhecimento de que a pessoa é santa, no sentido mais forte da expressão. Para o averiguar, equipas de especialistas da diocese e da Santa Sé levam a cabo uma investigação histórica muito completa. Se a pessoa tem grandes qualidades, mas não se distinguiu por uma santidade “heroica”, como lhe chama a Santa Sé, o processo termina logo. Se a investigação evidencia uma dedicação verdadeiramente extraordinária a Deus e aos outros, o Papa, apoiado no parecer de várias equipas de consultores, manda publicar o decreto das virtudes heroicas e o processo de canonização segue para a fase final.
Embora Jérôme Lejeune tenha sido um dos cientistas mais brilhantes do século XX e o mais destacado em genética médica, não foi esse o aspecto destacado na análise das suas virtudes. Por exemplo, a sua inteligência extraordinária não o teria ajudado se ele tivesse sido preguiçoso e podia até tê-lo levado ao orgulho. A análise das virtudes heróicas de Jérôme Lejeune também não se apoia no facto de ele ter sido duramente perseguido na sua carreira profissional pelos interesses ligados ao aborto. O facto de alguém ser vítima de grandes injustiças não implica santidade e pode até deixar nela algum rancor. Neste caso, ficou demonstrado que não.
Depois do nazismo e do comunismo, a indústria do aborto foi talvez a maior causa de injustiças e de obstáculos ao progresso da ciência em todo o século XX. Também em Portugal, os abortistas fanáticos conseguiram expulsar dos hospitais do Estado vários médicos que se recusaram a colaborar com o aborto e, noutros países, cientistas de grande categoria foram igualmente perseguidos. Causar a morte deveria repugnar. Por isso, muitas pessoas pensam que há qualquer coisa de demoníaco nesta atracção pelo aborto, pela tortura e, mais recentemente, pela eutanásia. Independentemente do papel que o demónio possa ter nesta atracção depravada, não podemos esquecer que o aborto junta o interesse económico dos capitalistas sem escrúpulos com a cultura do sexo promovida pelas correntes políticas decadentes: o resultado é a catástrofe ética a que assistimos nalgumas sociedades ocidentais.
O Papa escolheu o dia 21 de Janeiro para ordenar a publicação do decreto das virtudes heróicas do Prof. Jérôme Lejeune por ser o aniversário da descoberta do mistério da Trissomia 21 (também conhecida como síndrome de Down, ou mongolismo), um dos mais extraordinários êxitos científicos de Lejeune. Primeiro, as descobertas científicas do Prof. Lejeune geraram entusiasmo por todo o mundo mas, quando se soube que ele rejeitava a morte de crianças e de adultos, o “lobby” abortista entrou em acção. Perseguido pelos Governos de direita e por interesses capitalistas corruptos, ameaçado de morte pelos revolucionários que pretendiam generalizar o aborto, Jérôme Lejeune não cedeu. Nunca cedeu, mesmo que a santidade lhe tivesse feito pagar um preço muito elevado. Por contraste, a sua vida deixou um fruto imenso. Tratou milhares de doentes, chegados à sua consulta vindos de todo o mundo. Ficaram para a posteridade as suas descobertas científicas notáveis. Deixou uma inspiração forte a todos aqueles que têm de defrontar os interesses obscuros da cultura da morte. E, melhor que tudo isso (é essa a opinião do Papa Francisco), Lejeune reza intensamente por todos nós junto de Deus.

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Populismos regionais

    “O homem é o homem e a sua circunstância”, defendeu sabiamente Ortega y Gasset O meu pai nasceu e cresceu no Alentejo. Concluída a 4.ª…

  • Os Idosos

    Nota Prévia: Este texto foi escrito a 14 de Abril 2019. Aparentemente pouco mudou, apenas a Eutanásia já foi aprovada na Assembleia da República. É…

  • Desabafo de um médico

    Diretor Clínico do Instituto Português da Face revela situação lamentável do plano de vacinação contra a Covid-19 No Instituto Português da Face, estamos focados nas…

  • Positivo e negativo

    Positivo e negativo… todos os dias ouvimos, vezes sem conta, estas palavras. Positivo e negativo… todos os dias vimos imagens, vezes sem conta, que nos…

  • José Eduardo Oliveira. Um homem bom e alcobacense profissional

    Há tempos, depois de uma daquelas conversas “vadias” mas importantes, em que se fala de tudo e de nada, perguntei ao meu Amigo José Eduardo/JERO…

  • “Milagre na Cela 7”, de Mehmet Ada Öztekin

    Recomendo o filme “Milagre na Cela 7” porque é um daqueles filmes difíceis de esquecer, com uma mensagem profunda e bela, que enaltece a força…

  • “Paula”, de Isabel Allende

    Da vasta obra de Isabel Allende, escritora nascida no Peru, recomendo a leitura de “Paula”, de cariz autobiográfico, originado por uma situação de quase “confinamento”.…

  • Um elemento de arte sacra do Mosteiro de Alcobaça do séc. XV

    Após a Batalha de Aljubarrota, D. João I entregou ao Mosteiro de Alcobaça vários espojos da contenda com os Castelhanos, isto devido ao auxílio militar…

  • Editorial. In memoriam

    José Eduardo Oliveira foi incansável no registo das memórias da sua terra.   É este legado, diria, o mais relevante que Alcobaça lhe tem a…

  • “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”, de Milos Forman

    Como bom cinéfilo que sinto ser, tenho de realçar o filme de Milos Forman, de 1976, “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”, e o desempenho…