Opinião

Banner - OPINIAO afonso luis aposentado

O valor do Património Cultural

“Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas na boca de um monge cisterciense de Alcobaça pelo escritor Luís Rosa, no seu excelente livro “O Claustro do Silêncio”. Esta citação vem a propósito da conferência promovida pel’O ALCOA, no passado dia 26, sobre o património da região de Alcobaça, na sequência da rubrica recentemente criada pelo jornal “S.O.S. Património”. De facto, tudo o que representa a identidade de um povo, seja nas artes, nas letras, nos hábitos, poderá constituir património valioso que importa Recuperar, Preservar, Cuidar, Conservar e, se necessário, Restaurar. É assim que se constrói a memória coletiva das gentes e dos locais em que habitam. Já os latinos diziam “cultura esse traditio” (cultura é a tradição), o que significa que os novos avanços civilizacionais só acontecem por ter havido anteriormente outros avanços (a tradição). E esses novos avanços vão ser amanhã… tradição. Depois, outros avanços se hão de seguir. Os edifícios, as obras de arte, as pérolas literárias, para além de enformarem a memória de um povo, dão também um importante contributo para os avanços da História. Ora, em torno do Mosteiro de Alcobaça, particularmente nos seus coutos, desenvolveu-se ao longo dos séculos um riquíssimo património. Em Novembro de 1994, o Museu do Mosteiro de Alcobaça e o IPPAR promoveram uma importante exposição de arte sacra dos antigos coutos, com obras de escultura, pintura, cerâmica, ourivesaria e paramentaria. As peças expostas foram cedidas pelas diferentes igrejas das freguesias do concelho e por outras individualidades. Pôde-se aí apreciar a riqueza artística dos antigos coutos. Foi como que um convite para apreciarmos o nosso património. Que é inestimável.

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…