Opinião

Psicologa_Ana_Grazina

Os privilégios da terceira idade

Sabe-se que Portugal é um pais constituído maioritariamente por idosos, que contrastam em grande número com a população mais nova.
Hoje trago-vos um desafio para manter e/ou potenciar a qualidade de vida nesta fase tão especial.
Ser-se sénior é sinónimo de sabedoria, de vivências diversificadas e especialmente no meio rural onde vivemos, é geralmente sinónimo de trabalho. Com estas premissas, torna-se evidente que convivemos com sábios e sábias que tanto nos ensinaram e ensinam.
Para manter e potenciar a qualidade de vida na adultícia avançada, propõem-se que os mesmos sejam ativos, que socializem, com as devidas precauções neste momento, que comuniquem e que se divirtam com os seus companheiros de velha guarda e com os membros mais novos do mundo.
Talvez há uns meses atrás um simples jogo de sueca seria motivo para sair de casa, espairecer e conviver. Agora, o mesmo não se aplica. Contudo, existe sempre a possibilidade da utilização das novas tecnologias para socializar em segurança! E é este o desafio que vos trago!
A utilização das redes sociais tem vindo a ser um excelente potenciador de socialização e a sua utilização é sem dúvida uma ferramenta positiva! Não só porque aprendem a manusear uma geringonça nova e ao mesmo tempo estimulam a memoria onde captam e evocam tarefas, bem como pelo facto de estarem online e puderem comunicar com familiares e amigos!
Pode ser difícil ao início, acredito que sim, mas com a prática e com a consistência, os resultados vão ser excelentes!
Por vezes torna-se difícil aceitar algumas dificuldades que chegam naturalmente com o passar da idade: ou a perda de independência que até então sempre tiveram, a mobilidade mais fraca, ou até mesmo a diminuição das faculdades cognitivas. Contudo há que salientar que é um processo, é natural e faz parte. É o privilégio de ter saúde para envelhecer e que nem todos o têm!

Outras notícias em Opinião

  • Alimentação versus ansiedade

    A população mundial está a viver dias desafiantes e difíceis relativamente à pandemia do vírus Covid-19. Existem restrições e limitações a nível do quotidiano e,…

  • Igreja da N. Sr.ª dos Prazeres: medievalidade e presente

    Recuemos até ao século XIII à vila de Aljubarrota, uma das catorze vilas dos Coutos Alcobacenses. Nesta localidade, na época, existira um templo que é…

  • Fui ao teatro e ELAS encheram a sala!

    Há tempo falaram-me de um grupo de mulheres que faziam teatro amador e que, cada vez que ELAS se propunham pôr uma peça em palco,…

  • Romã e tangerina

    A romã e a tangerina são duas frutas do outono. De cores diferentes mas com uma densidade nutricional muito semelhante. Os bagos da romã vermelhos…

  • A importância de uma eleição

    Quando se fala das eleições norte-americanas, não podemos dizer: é lá com eles. Não. As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito…

  • A nossa herança gastronómica e o tempo presente

    Se não vivêssemos tempos tão difíceis, fruto de uma pandemia, estaríamos por esta altura a inaugurar a Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais no…

  • Extraordinários. Mães

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. A minha mãe, que já não nos…

  • Saiba mais sobre os frutos secos

    A ameixa, o figo e as uvas secas são uma forma diferenciada de comer fruta. Porém, é importante ter a consciência que a forma seca…

  • Correr atrás do prejuízo!

    Os dados recentes do INE colocam Alcobaça como o 29.º concelho do país, em 308 municípios, onde o desemprego mais cresceu (+52%) e a perder…

  • Extraordinários. Profissionais de saúde

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. No dia seguinte a um tratamento que…