Opinião

Banner_ManuelCastelhano_autarquicas

Política e Ética

Sempre que se aproximam eleições autárquicas existem movimentações sociais, por parte de alguns actores, no sentido de se posicionarem, de acordo com as suas aspirações, na grelha de partida na corrida ao poder. Os partidos escolhem os seus candidatos. Os candidatos escolhem as suas equipas.

Como há muito menos lugares do que os pretendentes, surgem sempre pequenas quezílias, desamores, dissenções e rancores, invejas, e  ressentimentos. E se é certo que os partidos têm muitas vezes culpas directas nesta má gestão das competências e das expectativas, também o é, e sobremaneira, que os excluídos da escolha ficam sempre com a impressão de que são muito melhores do que os escolhidos, que têm projectos melhores para a sociedade e, portanto, sentem-se com direito ao ressentimento.

E procuram a vingança, não interessa por que forma, nem interessa a coerência. Se concorrem como independentes ou se mudam de partido. Não interessa se têm que vender todo o seu capital de valores e de convicções em nome do seu interesse mesquinho no poder. E descartam o passado. E descartam as boas condutas. E descartam o seu contexto de valores e de pensamento. E descartam os instituídos que os acolheram e que os alimentaram.

Não há imperativos de consciência. Não pensam que um dos valores que a sociedade privilegia é normalmente a estabilidade das condutas, a coerência, a manutenção do caracter do indivíduo e que tende a castigar esses zig-zagues sem pudor, nem moral.

Toda a gente tem direito a mudar. Mas o povo tem dificuldade de compreender e aceitar essas viragens abruptas e percebe bem quando a mudança é séria ou oportunista. E a rejeição acontece colocando-se legitimamente a questão: será que o que essa pessoa defendeu até agora estava tudo errado?

Há limites para a tolerância social. Quando a cambalhota é grande, a massa votante, que a não  percebe, prefere, e bem, não mudar o seu sentido de voto.

Não entender isto, é não ter noção das dinâmicas sociais de construção do poder. O resto são bizarrias que o tempo se encarregará de diluir.

Outras notícias em Opinião

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…