Opinião

Banner_ManuelCastelhano_autarquicas

Política e Ética

Sempre que se aproximam eleições autárquicas existem movimentações sociais, por parte de alguns actores, no sentido de se posicionarem, de acordo com as suas aspirações, na grelha de partida na corrida ao poder. Os partidos escolhem os seus candidatos. Os candidatos escolhem as suas equipas.

Como há muito menos lugares do que os pretendentes, surgem sempre pequenas quezílias, desamores, dissenções e rancores, invejas, e  ressentimentos. E se é certo que os partidos têm muitas vezes culpas directas nesta má gestão das competências e das expectativas, também o é, e sobremaneira, que os excluídos da escolha ficam sempre com a impressão de que são muito melhores do que os escolhidos, que têm projectos melhores para a sociedade e, portanto, sentem-se com direito ao ressentimento.

E procuram a vingança, não interessa por que forma, nem interessa a coerência. Se concorrem como independentes ou se mudam de partido. Não interessa se têm que vender todo o seu capital de valores e de convicções em nome do seu interesse mesquinho no poder. E descartam o passado. E descartam as boas condutas. E descartam o seu contexto de valores e de pensamento. E descartam os instituídos que os acolheram e que os alimentaram.

Não há imperativos de consciência. Não pensam que um dos valores que a sociedade privilegia é normalmente a estabilidade das condutas, a coerência, a manutenção do caracter do indivíduo e que tende a castigar esses zig-zagues sem pudor, nem moral.

Toda a gente tem direito a mudar. Mas o povo tem dificuldade de compreender e aceitar essas viragens abruptas e percebe bem quando a mudança é séria ou oportunista. E a rejeição acontece colocando-se legitimamente a questão: será que o que essa pessoa defendeu até agora estava tudo errado?

Há limites para a tolerância social. Quando a cambalhota é grande, a massa votante, que a não  percebe, prefere, e bem, não mudar o seu sentido de voto.

Não entender isto, é não ter noção das dinâmicas sociais de construção do poder. O resto são bizarrias que o tempo se encarregará de diluir.

Outras notícias em Opinião

  • As sementes na sua dieta

    O equilíbrio é extremamente importante na dieta diária, bem como o fraccionamento e a diversidade. As sementes são uma opção uma vez que conferem diversidade,…

  • Extraordinários. Manuel Castelhano

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Exalte-se a boa gestão, numa semana em…

  • Vinho contribui para o pão de um milhão de portugueses

    Na agricultura alcobacense de há sessenta e tal anos, não havia semana-inglesa, muito menos americana, que seria considerada uma modernice, sem viabilidade. Só não se…

  • Uma figura que emerge

    O Alcoa noticiou, na última edição, que o novo presidente da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa) é o bispo de Setúbal, D. José Ornelas. Tendo tomado…

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…