Opinião

banner_ines-silva

Recuperar valores em 2017

A quadra natalícia propicia reflexão. Não querendo ser moralista, julgo que, ao olharmos para dentro, podemos perceber que está na altura de recuperarmos valores como amar o próximo.
Vivemos num tempo de horror. No entanto, e apesar de os ataques terroristas nos lembrarem guerras que dilaceraram países, comunidades, raças, famílias, o terrorismo hoje visto no ecrã torna-nos quase imunes à violência. Os ataques acontecem noutros lugares, tendo como protagonistas pessoas anónimas e jovens que são filhos de quem não conhecemos.
Esquecemo-nos de que também temos filhos. Esquecemo-nos de que também educamos jovens. Esquecemo-nos de que todos os dias há “ataques” nas casas de casa um. Há mulheres a morrerem vítimas de violência doméstica. Há familiares que matam familiares por causa de partilhas. Há idosos que morrem sozinhos, escondidos por biombos nos hospitais ou sem a companhia de amigos em casa. E continuamos a fomentar as relações sociais baseados no sucesso dos números – do dinheiro ou dos resultados que se obtiveram na escola. Sim, é surpreendente: é mais fácil apresentarmos aos amigos o nosso filho como sendo um caso de sucesso porque teve 19 a Matemática do que por ser uma pessoa íntegra, respeitadora, generosa. Ser o melhor na escola é mais valorizado socialmente do que ser o mais amigo, o mais solidário, o que repugna todas as formas de violência. Este nosso comportamento deriva do facto de não reconhecermos que há muitas formas de terrorismo e que ele existe perto de nós. Ou então, advém da ideia de que, como é um mal cada vez mais presente e, não sabendo nós o que fazer para o evitar, é melhor escamoteá-lo. Ignorá-lo. O fim de um ano e o princípio de outro é o tempo mais propício para olharmos à nossa volta e reconhecermos o terror, o medo, a injustiça como questões a combater com coragem. A dignidade, o não sofrimento, o conforto na vida são matérias a incluir na escola e na vida. “Amar o próximo” poderá ser o sumário.

Outras notícias em Opinião

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…

  • A ideologia de género

    As referências, muito duras, do Papa Francisco à ideologia de género e o recente discurso, igualmente forte, do representante do Vaticano nas Nações Unidas (9…

  • Um sistema político mais transparente é mais eficiente!

    A política é património dos cidadãos e não se pode resumir aos agentes políticos que apenas exercem um mandato: democraticamente delegado.  A política é a…

  • Opinião. Notre-Dame de Paris

    A catedral de Notre-Dame, em Paris, construída há cerca de 850 anos numa ilha no meio do rio Sena é mais do que uma igreja…

  • Opinião. A “experiência de Cliente”

    Nós, consumidores, clientes, utentes, procuramos adquirir produtos e serviços que reduzam o nosso esforço, custo, ansiedade e risco. Nós queremos conforto, rapidez, benefícios, qualidade, simplicidade,…

  • Namoro na adolescência II

    “Novas tecnologias – desafios à comunicação e qualidade afectiva das relações” Se és adolescente, certamente já viste e usaste estas siglas, Amt, Adrt, Gmdt, Ily,…

  • Estátuas

    Há tempos que não passeava na zona pedonal do rio Alcoa, entre a rotunda das Freiras e a ponte junto à Biblioteca Municipal. Surpreendeu-me a…

  • Do pensamento social cristão

    No artigo anterior, foi afirmado que fazem parte do cristianismo social três realidades fundamentais: a experiência e o saber dos cristãos; o pensamento social cristão;…

  • Se é Deus, vamos matá-Lo!

    Um episódio do Evangelho, que ouvimos recentemente (Marcos 3, 1-6), é difícil de compreender para os humanos, fácil de entender para o demónio. Era um…

  • Alcobaça

    Quem duvida ser Alcobaça terra de encanto? Já Virgínia Vitorino dizia ser esta a terra mais linda do mundo. Os anos vão passando e, às…