Opinião

Banner_AcacioCatarino

«Refugiados»… À procura de refúgio

Largos milhares de candidatos a refugiados e a imigrantes (vulgo «refugiados») vêm procurando, na Europa, as condições de paz e de subsistência condigna que faltam nos seus países de origem; muitos outros – a imensa maioria – não dispõe de condições para fazer o mesmo. Por isso, a ajuda a prestar-lhes deve abranger não só o acolhimento na Europa mas também uma forte ação humanitária e de pacificação nos países de origem; esta ajuda vem sendo prestada, mas de maneira insuficente.
O ambiente sociopolítico, em vários países europeus, não é o mais favorável ao acolhimento de «refugiados»; para isso contribuem a crise económico-social que persiste, as situações graves de pobreza e exclusão, as divisões político-partidárias, a propensão xenófoba, o receio da islamização… Acresce que, para cúmulo, os «refugiados» vêm sendo aproveitados como pretexto para contestações internas contra governos, União Europeia e outras entidades.
Apesar de tantas limitações, poderá afirmar-se que existe, em Portugal, uma forte disponibilidade solidária para o acolhimento dos «refugiados». Disponibilidade que talvez se tornasse mais consistente se se verificassem três condições de base: 1ª. Uma partilha equitativa de responsabilidades, entre os países europeus; 2ª. A corresponsabilidade efetiva de três patamares de ação, em Portugal: (a) As comunidades paroquiais e de outra natureza, bem como as diferentes instituições e empresas da sociedade civil; (b) As autarquias locais; (c) O Estado central; 3ª. Uma articulação, muito forte e coesa, entre o apoio aos «refugiados» e à erradicação da pobreza no nosso país. Esta última condição implica uma profunda melhoria das nossas práticas e políticas de desenvolvimento local e nacional; no limite – otimista – seria possível transformar a integração de «refugiados» numa nova oportunidade para o nosso próprio desenvolvimento.

Outras notícias em Opinião

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…

  • Tempos conturbados e a política do momento

    Caro/a Munícipe, Não estamos a viver num período de normalidade politica e a potencialidade libertadora da internet e da democracia soam um pouco a ingenuidade,…

  • Extraordinários. Joaquim Augusto de Carvalho

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Quando podem chegar a Portugal, se aprovado…

  • Afinal o que é a “dieta”?

    Diariamente as pessoas colocam a palavra dieta no seu discurso. Dieta para aqui, dieta para ali! Dieta disto, dieta daquilo! Certamente já ouviu a expressão:…

  • O futuro das coletividades durante e pós pandemia

    É nesta altura que todos temos que refletir sobre o estado e o futuro das nossas coletividades que sempre desempenharam um papel importantíssimo nas freguesias…