Atual

Sobre o Sínodo dos Bispos

Banner_DJoseTraquina

Com a terceira assembleia geral extraordinária do Sínodo dos Bispos, devido ao interesse da comunicação social, criou-se muita expectativa em relação à abordagem que os bispos farão de problemas novos relativos à Família. De facto, devido à crise social e espiritual, a situação apresenta-se como novo desafio pastoral para a Igreja. Cristãos recasados civilmente, casais a viverem maritalmente em união de facto sem qualquer vínculo, abandono dos critérios da Fé nas decisões pessoais e sociais, matrimónios mistos ou inter-religiosos, novas interpretações dos direitos humanos, novas considerações quanto à noção de Família, desvalorização da fidelidade matrimonial, ausência da virtude da castidade entre os esposos, casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo, famílias monoparentais, as mães de substituição (“barrigas de aluguer”), etc. Estas são apenas algumas das muitas situações que exigem uma reflexão dos responsáveis da Igreja para saber como propor o Evangelho às pessoas que vivem naquelas situações. Penso, portanto, que o Sínodo buscará respostas pastorais mais adequadas às pessoas na sua situação familiar concreta, muitas vezes irreversível e, assim, não prevejo mudanças doutrinais (na Igreja, o matrimónio continuará a acontecer em exclusividade entre um homem e uma mulher). As respostas ao inquérito lançado a propósito deste Sínodo revelaram que são muitas as questões pastorais (e diferenciadas conforme o país e o continente), mas também é muito o desconhecimento do ensino da Igreja sobre a vida cristã, matrimónio e vida familiar. Vivendo num ambiente cultural onde Deus é marginalizado, os cristãos acabam por fragilizar no ideal de vida cristã, passando a agir sem Fé. Não admira, portanto, que muitos matrimónios celebrados com cuidada beleza aparente sejam provavelmente nulos por não corresponderem ao que está previsto sobre as condições de validade do sacramento. Entretanto, assim costuma acontecer, só depois da sessão ordinária de 2015 e das respetivas conclusões, o Papa publicará uma Exortação Apostólica sobre o assunto.

Outras notícias em Atual