Opinião

Banner_FlemingOliveira

Terá de ser assim?

Confesso. Tive mágoa de não ter tido oportunidade de ser um Constituinte em 1975. Como o Dr. Gonçalves Sapinho, que desempenhou com dignidade e competência imaculadas essas funções pela lista do PPD/PSD.
Mais tarde, quando fui Deputado (também pelo PSD) votei em 1982 alterações à Constituição, na alegada procura de diminuir a sua carga ideológica, flexibilizar o sistema económico e redefinir as estruturas do exercício do poder político, sendo extinto o Conselho da Revolução e criado o Tribunal Constitucional. O pressuposto da legitimidade dos juízes constitucionais assentou na validade e na coerência da argumentação jurídica. Aliás, na lógica da nossa jovem democracia, esses juízes iriam ter uma legitimidade reforçada, pois seriam eleitos pela Assembleia da República.
Sempre olhei a Constituição da República com verdadeiro respeito, senão veneração, mau grado reconhecer-lhe condescendências ao tempo e à mitologia revolucionária (já lá vão cerca de 40 anos, mas que ainda resistem). Não considero, porém, a Constituição um texto sacrossanto, imutável, outros sim que, por motivos ponderosos, pode e deve ser alterado.
O Governo queixa-se da impossibilidade de cumprir, por força do texto e do espírito da Constituição, determinadas metas acordadas. Entendendo que tem alguma razão, isso não significa que me identifique com todas as opções do governo, ainda que não inconstitucionais. O cumprimento de certas medidas para atingir algumas metas tem colidido com a Constituição, pelo que admito que nesse caso teria sido necessária uma revisão. Uma das soluções seria introduzir-se alterações definitivas que ajustem a Constituição à necessidade de cumprimento das obrigações assumidas. Mas carece de consenso. Outra seria introduzir a figura do estado de emergência (financeira), que permitiria a suspensão da aplicação de normas. Mas estados de exceção são arriscados, criam desconfiança e em Portugal nunca obteriam o indispensável consenso dos parceiros políticos e sociais.

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…