Opinião

Banner_AfonsoLuis

Tiques à portuguesa

Há fenómenos modísticos de linguagem e de outras naturezas que se manifestam ciclicamente na nossa sociedade. Alguns desses fenómenos esfumam-se com rapidez, outros perduram no tempo. Um exemplo atual de um fenómeno linguístico que decerto não vai durar muito: comentadores televisivos, sobretudo no campo desportivo, “descobriram” que todos os substantivos são, ou deveriam ser, do género feminino. Assim, é ouvi-los dizer que “o… a Benfica vai defrontar o… a dragão” e que “o… a Sporting venceu o… a Paços de Ferreira”. É de facto uma tortura ouvi-los constantemente a dizer “o… a…” Outro exemplo, este de outra natureza e que tem perdurado no tempo, é a tendência de muitas pessoas do Porto assumirem uma inexplicável atitude de confronto (complexos?) em relação a Lisboa, sustentando que a capital do norte é sistematicamente preterida e até prejudicada pelas decisões tomadas pelo poder central que, como se sabe, está em Lisboa. Este é um tique que vem de longe e que assumiu nos últimos anos particular evidência, a começar no presidente do Futebol Clube do Porto (em Lisboa vivem os mouros) e na maioria dos autarcas da cidade. De tal forma se agudizou este pseudo-antagonismo, que se chega à palermice de não se apontar Lisboa contra o Porto, mas sim o Sul contra o Norte. Lembro-me de ouvir, há muitos anos, na minha profissão, queixas sobre as sedes dos Bancos, alegando que apenas um Banco tinha a sua sede no Porto e todos os outros se encontravam sediados em Lisboa. Na altura, dei-me ao trabalho de verificar o que se passava na Europa, e notei que a maioria dos estabelecimentos bancários tinham sede na capital dos respetivos países. Pois é, a capital deste país é mesmo Lisboa, por muito que custe…
Vem isto também a propósito do que se passou recentemente com a Agência Europeia do Medicamento, e com a candidatura do Porto. Como se sabe, aquela Agência foi para a Holanda e… justamente para a capital, Amesterdão. E o governo português resolveu, sem mais nem menos, mudar a sede do Infarmed de Lisboa para o Porto. Uma cedência pateta, sem sentido, só para acalmar frustrações, despeitos e complexos de algumas pessoas.

Outras notícias em Opinião

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…

  • A ideologia de género

    As referências, muito duras, do Papa Francisco à ideologia de género e o recente discurso, igualmente forte, do representante do Vaticano nas Nações Unidas (9…

  • Um sistema político mais transparente é mais eficiente!

    A política é património dos cidadãos e não se pode resumir aos agentes políticos que apenas exercem um mandato: democraticamente delegado.  A política é a…

  • Opinião. Notre-Dame de Paris

    A catedral de Notre-Dame, em Paris, construída há cerca de 850 anos numa ilha no meio do rio Sena é mais do que uma igreja…

  • Opinião. A “experiência de Cliente”

    Nós, consumidores, clientes, utentes, procuramos adquirir produtos e serviços que reduzam o nosso esforço, custo, ansiedade e risco. Nós queremos conforto, rapidez, benefícios, qualidade, simplicidade,…

  • Namoro na adolescência II

    “Novas tecnologias – desafios à comunicação e qualidade afectiva das relações” Se és adolescente, certamente já viste e usaste estas siglas, Amt, Adrt, Gmdt, Ily,…

  • Estátuas

    Há tempos que não passeava na zona pedonal do rio Alcoa, entre a rotunda das Freiras e a ponte junto à Biblioteca Municipal. Surpreendeu-me a…

  • Do pensamento social cristão

    No artigo anterior, foi afirmado que fazem parte do cristianismo social três realidades fundamentais: a experiência e o saber dos cristãos; o pensamento social cristão;…

  • Se é Deus, vamos matá-Lo!

    Um episódio do Evangelho, que ouvimos recentemente (Marcos 3, 1-6), é difícil de compreender para os humanos, fácil de entender para o demónio. Era um…

  • Alcobaça

    Quem duvida ser Alcobaça terra de encanto? Já Virgínia Vitorino dizia ser esta a terra mais linda do mundo. Os anos vão passando e, às…