Memória

Túmulo Romano do Valado dos Frades

túmulo romano

À volta da Lagoa da Pederneira e também no chamado Bico do Frei António, estabeleceram-se mais ou menos temporariamente pequenos povoados desde épocas muito remotas.
O período luso-romano é o que parece ter tido em terras de Alcobaça uma constante e larga existência. Todavia os monumentos epigráficos não abundam, enquanto que os numismáticos são relativamente vulgares.
Perto do atual Valado dos Frades existiu uma povoação romana e muito civilizada, Rivus Molendinorum (Rio de Moinhos). O que mais nos convence duma povoação romana são as inscrições e sepulcro que no ano de 1780, por ocasião da lavoura se descobriram no campo do Valado. Essas inscrições são do século de Augusto, uma delas dedicada a Minerva. Numa das faces, essas figuras mais salientes representam as nove musas e, no meio delas, Apolo.
As inscrições referenciadas por Viterbo, algumas muito dilaceradas: D. M. A.; MINERVAE; DVTIAE; SACRVM; TAVGINIOF; IN MEMORi; AMENA; AM CARIsi; SILVANI.F; AE. G. F Qvin; MATRI; TILLAENIA; P.C.
“Esta inscrição muito lacerada só nos oferece as letras representadas inteiras ou suprimidas, foi dedicada a Minerva, em memória de Carisia filha de Getúlio, e por ela sabemos que se adorava por aqui aquela divindade. As figuras que tem são pouco proeminentes e de meio relevo, mas todas dentro da superfície que vai do lábio à meia cana da base; nos lados tem dois génios ou morfeus com os olhos fechados em ação de quem está dormindo, e apagando uma tocha. À face estão as nove musas e no meio delas Apolo”.
O sepulcro citado por Viterbo foi trazido para o Mosteiro de Alcobaça e ficou até 1834, tendo nesta data sido vendido por 720 reis a uma pessoa da Marinha Grande, que o comprou para refrigerante dum alambique. Mas como era muito pesado deixou-o numa quinta em Alcobaça, até que há poucos anos numa visita do ilustre arqueólogo Possidónio da Silva, o levou para o Museu do Carmo.

Comentários (2)

  • Jose paiva paulo - 14 de Novembro de 2013, 21:46

    De muito valor histórico,me comove ver pessoas se dedicando a assuntos,tão relevantes para a nossa vida e para o passado da nossa Terra.Obgo.

    • Isabel Chaves - 24 de Janeiro de 2015, 14:12

      Muito esconde ou escondia essas terras Valadenses e Nazarenas. Tubo com interesse histórico e nada existe em livro ou documento original para dar a conhecer a quem visita essa zona.

Outras notícias em Memória