Opinião

Facebook---OPINIAO Anita Mateus

Um elemento de arte sacra do Mosteiro de Alcobaça do séc. XV

Após a Batalha de Aljubarrota, D. João I entregou ao Mosteiro de Alcobaça vários espojos da contenda com os Castelhanos, isto devido ao auxílio militar e político do abade Frei João de Dornelas, como também pelo apoio fervoroso deste abade ao partido do Mestre de Avis. Com essas ofertas, Dornelas mandou construir vários objetos para preservar a sua memória e ação no Mosteiro. Entre elas, uma custódia.
Esta custódia, que era inicialmente uma copa, estima-se que tenha sido alterada no século XVII. Com 92,5 cm de altura e uma base de 30,8 cm, foi construída em prata/ prata dourada e contém esmaltes, granadas, vidros incolores e vestígios de policromia. Desde 1883 que esta peça pertence ao Museu de Arte Antiga de Lisboa. Nos dias que correm, é possível encontrá-la exposta. Mas como é possível associá-la ao abade de Alcobaça?
Existem dois elementos essenciais que permitem confirmar a época e as suas personagens. Primeiramente, na base da custódia consta uma legenda que refere quem a mandou fazer: D. João de Dornelas, abade do Convento do Mosteiro de Alcobaça; bem como a data da sua encomenda: 1450 Era Hispânica ou 1412 da Era de Cristo. Em segundo, os três escudos de armas que surgem na base da custódia. Os escudos suportados por anjos coroados são as armas da família Dornelas. São representadas por três flores-de-lis em rubi sobre esmalte. D. João de Dornelas encomendou a peça, assim como também a doou ao Mosteiro.
Por fim, caro leitor, em tempo de confinamento sugiro a seguinte pesquisa: quantas peças de arte sacra/bens imóveis que pertenceram ao Mosteiro de Alcobaça estão espalhadas pelo país?

Custódia_COR

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Populismos regionais

    “O homem é o homem e a sua circunstância”, defendeu sabiamente Ortega y Gasset O meu pai nasceu e cresceu no Alentejo. Concluída a 4.ª…

  • O preço da santidade

    O Papa Francisco deu um passo decisivo para a canonização do Prof. Jérôme Lejeune, o mais importante geneticista do século XX, com o decreto de…

  • Os Idosos

    Nota Prévia: Este texto foi escrito a 14 de Abril 2019. Aparentemente pouco mudou, apenas a Eutanásia já foi aprovada na Assembleia da República. É…

  • Desabafo de um médico

    Diretor Clínico do Instituto Português da Face revela situação lamentável do plano de vacinação contra a Covid-19 No Instituto Português da Face, estamos focados nas…

  • Positivo e negativo

    Positivo e negativo… todos os dias ouvimos, vezes sem conta, estas palavras. Positivo e negativo… todos os dias vimos imagens, vezes sem conta, que nos…

  • José Eduardo Oliveira. Um homem bom e alcobacense profissional

    Há tempos, depois de uma daquelas conversas “vadias” mas importantes, em que se fala de tudo e de nada, perguntei ao meu Amigo José Eduardo/JERO…

  • “Milagre na Cela 7”, de Mehmet Ada Öztekin

    Recomendo o filme “Milagre na Cela 7” porque é um daqueles filmes difíceis de esquecer, com uma mensagem profunda e bela, que enaltece a força…

  • “Paula”, de Isabel Allende

    Da vasta obra de Isabel Allende, escritora nascida no Peru, recomendo a leitura de “Paula”, de cariz autobiográfico, originado por uma situação de quase “confinamento”.…

  • Editorial. In memoriam

    José Eduardo Oliveira foi incansável no registo das memórias da sua terra.   É este legado, diria, o mais relevante que Alcobaça lhe tem a…

  • “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”, de Milos Forman

    Como bom cinéfilo que sinto ser, tenho de realçar o filme de Milos Forman, de 1976, “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”, e o desempenho…