Opinião

Banner - OPINIAO Iris Guerra_psicologa

Namoro na adolescência II

“Novas tecnologias – desafios à comunicação e qualidade afectiva das relações”
Se és adolescente, certamente já viste e usaste estas siglas, Amt, Adrt, Gmdt, Ily, Ly ou Qt, não? Sabes que correspondem pela mesma ordem a “Amo-te”, “Adoro-te”, “Gosto muito de ti”, I love you, Love you ou “Quero-te”.
É muito mais fácil escrevê-las num teclado cintilante do que dizê-las de forma tímida ou cintilante, em frente a quem se gosta. Mas nem sempre o que é mais fácil é a melhor solução.
Sabemos hoje que a utilização das novas tecnologias, da simples sms até às redes sociais mais utilizadas pelos adolescentes, podem ter impacto na qualidade das relações. As novas tecnologias permitem-nos trocar informação mas não nos ensinam a comunicar. O namoro enquanto relação cuidada e autêntica, necessita de competências de comunicação e emoções que permitam expressar o outro real e a nós, na plenitude.
A revolução causada pelo aparecimento das primeiras redes sociais, ajudou a juntar muitos casais mas, as novas tecnologias, podem também ter um impacto negativo no namoro ou nas relações amorosas. Sobretudo, se substituem a experiência concreta e se tornam na experiência. Porém, nada pode substituir a emocionalidade que decorre da interação directa com o outro real (cheiro, toque), bem como o impacto da sua expressão em nós e no outro.
Gostas? Então, di-lo à frente de quem gostas. Vivê-lo-ás mais intensamente e quem tu gostas, também.
Se o fizeres, di-lo também de vez em quando por sms ou na rede que preferires. Não precisas de o fazer sempre mas se quando o fizeres for de forma autêntica e sincera, será mais fácil que o sintas e saibas e o outro, também. Gostar verdadeiramente não tem nada de banal, é uma experiência preciosa e enriquecedora para ambos.
Se ocupares sempre grande parte do teu tempo de volta do teu telemóvel ou nas redes sociais, é compreensível que a pessoa de quem gostas se sinta excluída, desvalorizada e questione o verdadeiro significado da vossa relação. Se deres por ti mais vezes online é possível que estejas offline do que te rodeia. E também mais sozinho e distante de ti próprio. O silêncio e a qualidade da companhia que fazes a ti próprio (experiências e interesses diversificados) reflectir-se-ão na forma como também cuidas de quem gostas e gosta de ti.
E não te esqueças, as novas tecnologias não são boas ou más. Depende sempre da forma como as utilizares. Tens sempre escolha. Escolhe-te mas partilha-te, vivencialmente.

Outras notícias em Opinião

  • Opinião. A “experiência de Cliente”

    Nós, consumidores, clientes, utentes, procuramos adquirir produtos e serviços que reduzam o nosso esforço, custo, ansiedade e risco. Nós queremos conforto, rapidez, benefícios, qualidade, simplicidade,…

  • Estátuas

    Há tempos que não passeava na zona pedonal do rio Alcoa, entre a rotunda das Freiras e a ponte junto à Biblioteca Municipal. Surpreendeu-me a…

  • Do pensamento social cristão

    No artigo anterior, foi afirmado que fazem parte do cristianismo social três realidades fundamentais: a experiência e o saber dos cristãos; o pensamento social cristão;…

  • Se é Deus, vamos matá-Lo!

    Um episódio do Evangelho, que ouvimos recentemente (Marcos 3, 1-6), é difícil de compreender para os humanos, fácil de entender para o demónio. Era um…

  • Alcobaça

    Quem duvida ser Alcobaça terra de encanto? Já Virgínia Vitorino dizia ser esta a terra mais linda do mundo. Os anos vão passando e, às…

  • A importância de uma rede diversificada

     É senso comum afirmar que uma boa rede de contactos nos ajuda a prosperar na vida. Ter muitos contactos pode significar conseguir trocar informações e…

  • Books & Movies 2018– Festival Literário e de Cinema de Alcobaça

    Um estreito encontro entre artistas e públicos De 8 a 14 de outubro, Alcobaça recebe, pela 5.ª vez, escritores, realizadores e artistas. O Festival Books…

  • A nova Missa

    O Papa Francisco decidiu que, a partir deste ano, a Missa do dia seguinte à festa de Pentecostes passará a ser a memória litúrgica de…

  • O mundo das pedras vulcânicas

    A recente exortação apostólica do Papa Francisco, dedicada à santidade, evoca o curioso romance de Joseph Malègue intitulado “Pierres noires: Les Classes moyennes du Salut”…

  • Mais uma do Papa Francisco

    Por altura do Natal, as televisões noticiavam que o Papa, nos votos da quadra aos seus cardeais, teve esta contundente frase: “Fazer reformas em Roma…