Opinião

Facebook---OPINIAO-Fleming-de-Oliveira_advogado

Televisão em Alcobaça no início das emissões

A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia que Salazar não era entusiasta deste novo meio de comunicação social.
Aproveitando as facilidades concedidas pelo O Século, que nos jardins da Palhavã organizava a Feira Popular, a RTP realizou, aí, as primeiras emissões. Corria o mês de Setembro e a inauguração programou-se para a noite de 4, pelo que “vai o povo de Lisboa tomar o primeiro contacto com uma das maiores invenções que até hoje o Mundo viu”.
A TV foi, então, um espetáculo de rua. E o povo fez a festa nos passeios frente às montras com visores. O Jornal de Notícias escreveu que “nos vários locais de Lisboa continuaram ontem à noite, as transmissões do programa televisionado que, como no dia anterior, levaram às várias ruas numerosas pessoas”.
Em certos meios alcobacenses, entendia-se que a televisão iria colocar o mundo perante graves e delicadíssimos problemas de ordem moral. Segundo O Alcoa, um pai de família, declarou que “desde o dia em que a televisão entrou em casa, fecharam-se os livros (…). Depois de estar umas horas a ver televisão durante a noite, vou para a cama com a sensação que perdi a noite totalmente (…) ”. Uma mãe de família, perguntava se não haveria maneira de apresentar “cowboys com bons modos, sem que deixassem de ser cowboys ”.
Interessante é também o depoimento daquele professor, “a TV intrometeu-se na vida das crianças, distraindo-as nos seus estudos e nas suas leituras. Estropia-lhes a vista e torna-as preguiçosas”. E que acham daquele alcobacense, apresentado como marido “faminto”, que entendia que seria um desastre se a televisão continuasse com progressos? “Já agora a minha mulher me deixa, não poucas noites sem ceia, para ver um programa favorito. Imagine-se o que seria se tivéssemos TV a cores ou um sistema desses que dizem que vão criar e, segundo o qual, pagando certa quantia, se pode escolher o programa que mais agrade”.

Outras notícias em Opinião