Opinião

Banner_JoaoPauloCosta

A Hora de Marcelo

É já no próximo dia 9 de março que Marcelo Rebelo de Sousa toma posse como Presidente da República. Ao contrário dos três Presidentes anteriores, que ascenderam ao cargo, essencialmente, pelo percurso político sólido e pela larga experiência executiva, o novo Presidente, apesar de ter exercido cargos políticos, vale, sobretudo, pela sua brilhante carreira, como professor universitário e jurista, ou como, jornalista e comentador. Eis que emerge uma nova personalidade com um trajeto de vida diferente.
Por não ter um percurso politico tão consolidado, Marcelo pode parecer mais imprevisível. No entanto, sendo o cargo de Presidente da República unipessoal, é assim que o Professor se sente à vontade, pois os seus momentos mais cintilantes foram sempre a solo. Aliás, para falar e escrever não vai precisar que alguém o faça por si, pelo simples facto de ser o melhor nessa matéria. Claro que esta capacidade inata não irá chegar para tudo, pelo que é necessário, ao mesmo tempo, exercitar o bom senso e apurar o trabalho em equipa. Mas o seu génio e golpe de asa poderão fazer a diferença.
Possui, ainda, a faculdade de saber conjugar o seu lado intelectual, com a sua faceta popular, de forte ligação ao cidadão comum. Um grande humanista, tanto no discurso, como na proximidade às pessoas. Aliás, o Professor é mestre em empatia. Alia a componente humana, à capacidade intelectual fora do comum e à competência para tomar decisões políticas corretas e assertivas. Estão reunidas as condições para ser um excelente Presidente da República, basta, para isso, que a sua prática política esteja, sempre, ajustada aos valores que tem vindo a defender, no sentido de preservar o estado democrático e social, conciliado com o reforço do crescimento económico, essencial para a sua sustentabilidade. Como tal, deve promover a estabilidade, a convergência política e incentivar políticas de compromisso e coesão social, na defesa da independência nacional, da unidade do Estado e do regular funcionamento das instituições democráticas.

Outras notícias em Opinião