Opinião

Banner_JoaoPauloCosta

Democracia – 40 anos de PSD

Desde a sua fundação, que o PSD, tem pretendido mobilizar a solidariedade de todos os portugueses na construção da democracia política, económica, social e cultural. Assim, ao longo dos anos vem defendendo a dignificação dos valores humanos essenciais no desenvolvimento do bem estar social de todos os cidadãos, pelo seu direito à educação, saúde e segurança social de forma justa e equitativa.
Como tal, os social democratas lutaram pela consagração de um sistema democrático do tipo ocidental, pela integração plena no espaço europeu, pela modernização de infraestruturas do país, pela requalificação do sistema político e pela busca permanente da valorização dos portugueses.
Pelo que, com toda a justiça, não se pode falar, hoje em Portugal, de democracia ou social-democracia sem falar no PPD/PSD.
O tempo de crise que atravessamos e os sacrifícios que têm sido impostos aos cidadãos, fazem com que se desvalorize a política e os políticos. Regista-se a incompetência e culpam-se os partidos pela situação a que a democracia chegou. Até há quem queira colocar em causa o próprio sistema democrático. Mesmo com todas as venturas e desventuras, evidentes erros e defeitos, devemos continuar, convictamente, a acreditar que a democracia é “o pior dos regimes, com exceção de todos os outros”, como Churchill referiu no século anterior.
Parece ser este o grande desafio do PSD para o futuro – fortalecer a democracia. Mas para isso é importante implementar reformas estruturais, fundamentais para a nossa sustentabilidade social, económica e financeira.
Pelo que é necessário efetuar corte nos privilégios imorais, no desperdício, na fraude e nas rendas excessivas. Sendo premente estimular a nossa economia, garantindo o reforço da sua capacidade produtiva, tornando-a equitativa, equilibrada e dinâmica, geradora que emprego, e capaz de privilegiar a excelência e a inovação. Mas acompanhada de uma rede de proteção social, sob a forma de um estado social justo e eficiente, no intuito de reduzir as desigualdades sociais.

Outras notícias em Opinião

  • Lista de compras: uma tarefa para o seu dia

    A população portuguesa, e não só, está a passar por um período extremamente difícil e sensível. A saúde, bem como a saúde, estão em risco.…

  • O que posso fazer para me sentir melhor de quarentena em casa?

    Caro leitor, cara leitora, Durante os últimos dias, tem sido visível a quantidade de notícias que surgem nas televisões e nas redes sociais, sobre o…

  • Testemunho. Uma jovem fala como vive a atual quarentena

    Acho giro como o mundo lá fora anda tão silencioso, as pessoas tão bem-educadas e reservadas. Mas basta um suspiro, um sorriso, um olhar para…

  • Televisão em Alcobaça no início das emissões

    A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia…

  • Nas ruas desertas de Roma

    A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo. Saindo a…

  • Papagaios, abutres e gente boa

    As calamidades trazem sempre à tona qualidades e defeitos das gentes que as vivem. Aquela em que nos encontramos já nos “revelou” que há na…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários desta vez são obviamente os…

  • “Una e santa”

    Pelo menos na Eucaristia de Domingo, no Credo, os católicos confessam que confiam na Igreja una e santa mas, perante a quantidade de protestos que…

  • Vamos açambarcar

    Está aí o Covid-19. Como tantas outras alturas de ameaça de crises, vamos lá a açambarcar. Dei por isto na passada semana quando fui ao…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários da nossa região são do…