Opinião

Banner_JoaoPauloCosta

Democracia – 40 anos de PSD

Desde a sua fundação, que o PSD, tem pretendido mobilizar a solidariedade de todos os portugueses na construção da democracia política, económica, social e cultural. Assim, ao longo dos anos vem defendendo a dignificação dos valores humanos essenciais no desenvolvimento do bem estar social de todos os cidadãos, pelo seu direito à educação, saúde e segurança social de forma justa e equitativa.
Como tal, os social democratas lutaram pela consagração de um sistema democrático do tipo ocidental, pela integração plena no espaço europeu, pela modernização de infraestruturas do país, pela requalificação do sistema político e pela busca permanente da valorização dos portugueses.
Pelo que, com toda a justiça, não se pode falar, hoje em Portugal, de democracia ou social-democracia sem falar no PPD/PSD.
O tempo de crise que atravessamos e os sacrifícios que têm sido impostos aos cidadãos, fazem com que se desvalorize a política e os políticos. Regista-se a incompetência e culpam-se os partidos pela situação a que a democracia chegou. Até há quem queira colocar em causa o próprio sistema democrático. Mesmo com todas as venturas e desventuras, evidentes erros e defeitos, devemos continuar, convictamente, a acreditar que a democracia é “o pior dos regimes, com exceção de todos os outros”, como Churchill referiu no século anterior.
Parece ser este o grande desafio do PSD para o futuro – fortalecer a democracia. Mas para isso é importante implementar reformas estruturais, fundamentais para a nossa sustentabilidade social, económica e financeira.
Pelo que é necessário efetuar corte nos privilégios imorais, no desperdício, na fraude e nas rendas excessivas. Sendo premente estimular a nossa economia, garantindo o reforço da sua capacidade produtiva, tornando-a equitativa, equilibrada e dinâmica, geradora que emprego, e capaz de privilegiar a excelência e a inovação. Mas acompanhada de uma rede de proteção social, sob a forma de um estado social justo e eficiente, no intuito de reduzir as desigualdades sociais.

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…