Estrada D. Maria I / D. Maria Pia – Memórias desta Estrada!

Lúcia Serralheiro
Terra Mágica das Lendas

A oeste da Serra dos Candeeiros no final do séc. XVIII a Real Estrada D. Maria por alvará de 1791 ficou concluída em 1796, mas só em 1798, D. José Diogo de Mascarenhas é nomeado Superintendente dos Correios e surge a 1. ª Mala-Posta. Em 1965 foi inaugurada a EN1, troço Alto da Serra – São Jorge, desenhada sobre a anterior via, tendo alguns troços da original estrada ficado de lado, uns à direita, outros à esquerda. Eles são memória viva do tempo da construção da Estrada, que urge preservar. E o IC2 volta a utilizar esse percurso bem delineado pelos engenheiros do séc. XVIII, pois ainda serve no séc. XXI.
A Rota da Estrada D. Maria I / D. Maria Pia serve a valorizar o que ainda resta da antiga Estrada Real: muros, aquedutos, árvores, paisagens, terrenos, memórias de gentes que à sua beira sobreviveram em terrenos pobres e sem água à superfície. Que males ou bens colheram nessa estrada, que animais, carruagens, coches, carros de caça pelos seus olhos passaram. Terão visto a comitiva de D. Maria I quando veio ao Mosteiro de Alcobaça, ou à Marinha Grande? Como viram as invasões napoleónicas, sobretudo a 3.ª que vandalizou tudo, para onde terão ido? Sob a ponte do Rio Seco em Turquel escondeu-se 3 dias uma avó, só com uma maçã no bolso do avental, conta o neto. E como viajavam os estrangeiros no séc. XIX, que iam ver o Mosteiro da Batalha? E como os apoiavam as estalagens ou vendas e os animais, que puxavam os veículos da época. E ‘cuidavam’ da Mala-Posta, que além das encomendas postais e cartas, transportava pessoas. O exemplar n.º 7 (na foto) passou por aqui e está no Museu dos Coches.
Em termos económicos as inúmeras extrações de pedra pela Serra denotam empresas de renome. Os mármores são exportados para todo o mundo. Existirá uma ligação entre a Estrada Real, a EN1 e o IC2 e o crescimento ou desenvolvimento económico? Será, que a área protegida, enquadrada no Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros além dos pareceres de licenças para construção investe nas memórias, paisagens e pessoas, ou seja, no nosso Património Imaterial?

Lúcia Serralheiro
Terra Mágica das Lendas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found