Opinião

Banner_AfonsoLuis

Imigrantes – Europa – Desenvolvimento

O envelhecimento do continente europeu é verdadeiramente autodestrutivo. Antes da crise financeira de 2008, que foi desencadeada nos Estados Unidos, a Europa estava a abrir-se à imigração justamente devido ao decréscimo brutal do seu índice de natalidade. Tinha, assim, de adotar políticas de abertura aos fluxos migratórios. Os Estados Unidos, entretanto, puderam sair da crise. A Europa nem por isso, devido às suas péssimas políticas, que só têm conduzido ao desemprego, à estagnação e ao crescimento da xenofobia. Daí, o brutal fecho de fronteiras a que temos vindo a assistir. Enredada em divisões internas e em atitudes estéreis, a Europa marca passo e não recupera, contrariamente aos Estados Unidos, o nível de atividade anterior à crise de 2008. A xenofobia e o fecho de fronteiras conduziu a que no nosso continente tenham entrado menos de 400 mil pessoas por ano, entre 2010 e 2015,enquanto que, de 2000 a 2010, entrava um milhão de pessoas. Para reencontrar o seu ritmo de atividade, a Europa necessita urgentemente de se abrir à entrada de mais pessoas, regressando aos números de 2000 a 2010 neste capítulo.
O drama que vivemos dos refugiados do Médio Oriente e do norte de África poderá ser aproveitado para o relançamento da economia do velho continente. Isto para não falarmos do que é essencial: o humanismo e a solidariedade, que tão arredios têm andado do nosso convívio, e que bem se justificam nos dias que correm. A Alemanha, responsável por muitas políticas restritivas e, consequentemente, pelo recrudescimento da extrema direita nos diversos países, parece estar, contudo, numa boa e aberta atitude face à questão dos refugiados, transmitindo, agora sim, uma forte mensagem a todos os países da Europa, sobretudo aos do leste, que não querem crianças nem imigrantes. Veja-se o partido há pouco vencedor na Polónia, xenófobo e eurocético. Embora se saiba que a Alemanha não tem alternativa, por força da sua fraquíssima natalidade, a sua mensagem em relação aos refugiados é excelente para uma Europa velha e estagnada.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…