Opinião

Banner_AfonsoLuis

Imigrantes – Europa – Desenvolvimento

O envelhecimento do continente europeu é verdadeiramente autodestrutivo. Antes da crise financeira de 2008, que foi desencadeada nos Estados Unidos, a Europa estava a abrir-se à imigração justamente devido ao decréscimo brutal do seu índice de natalidade. Tinha, assim, de adotar políticas de abertura aos fluxos migratórios. Os Estados Unidos, entretanto, puderam sair da crise. A Europa nem por isso, devido às suas péssimas políticas, que só têm conduzido ao desemprego, à estagnação e ao crescimento da xenofobia. Daí, o brutal fecho de fronteiras a que temos vindo a assistir. Enredada em divisões internas e em atitudes estéreis, a Europa marca passo e não recupera, contrariamente aos Estados Unidos, o nível de atividade anterior à crise de 2008. A xenofobia e o fecho de fronteiras conduziu a que no nosso continente tenham entrado menos de 400 mil pessoas por ano, entre 2010 e 2015,enquanto que, de 2000 a 2010, entrava um milhão de pessoas. Para reencontrar o seu ritmo de atividade, a Europa necessita urgentemente de se abrir à entrada de mais pessoas, regressando aos números de 2000 a 2010 neste capítulo.
O drama que vivemos dos refugiados do Médio Oriente e do norte de África poderá ser aproveitado para o relançamento da economia do velho continente. Isto para não falarmos do que é essencial: o humanismo e a solidariedade, que tão arredios têm andado do nosso convívio, e que bem se justificam nos dias que correm. A Alemanha, responsável por muitas políticas restritivas e, consequentemente, pelo recrudescimento da extrema direita nos diversos países, parece estar, contudo, numa boa e aberta atitude face à questão dos refugiados, transmitindo, agora sim, uma forte mensagem a todos os países da Europa, sobretudo aos do leste, que não querem crianças nem imigrantes. Veja-se o partido há pouco vencedor na Polónia, xenófobo e eurocético. Embora se saiba que a Alemanha não tem alternativa, por força da sua fraquíssima natalidade, a sua mensagem em relação aos refugiados é excelente para uma Europa velha e estagnada.

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Há mais de duas décadas, trabalhava…

  • Michael Nnadi: 18 anos

    Nos anos 90, conheci dois padres do Ruanda. Um não tinha notícias da família há muito tempo, outro acabava de saber que todas as pessoas…

  • Aquilo que é

    Aquilo que é a língua portuguesa deixa-nos às vezes confundidos com aquilo que é a forma de falar de uns tantos. Modas… Começa nos meios…

  • Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Em vésperas do Dia dos Namorados,…

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…