Opinião

Banner - OPINIAO Acacio F Catarino_sociologo

Princípio da participação

Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas, escolas, autarquias locais, Estado central… Nisto consiste a realidade da participação, e daqui decorre o respetivo princípio. Segundo a doutrina social da Igreja, este princípio desdobra-se em três linhas fundamentais: 1ª. A participação não pode afetar a identidade pessoal nem a dignidade de cada pessoa; 2ª. Há direitos e deveres de cada um de nós para com outrem, e vice-versa; 3ª. Numa sociedade ideal, todas as pessoas reconhecem a igual dignidade das outras, diligenciando que tudo concorra a favor do bem comum e do bem de cada uma (cfr. o «Compêndio da Doutrina Social da Igreja», 2004, nºs. 189-191).
Cada pessoa é uma totalidade, mas não é uma divindade. Por isso são designadas «totalitárias» as pessoas e estruturas que pretendem dominar tudo e todas as outras, como falsos deuses; cada pessoa, no relacionamento com as outras, é simplesmente uma parte em relação a elas, procurando, com elas, o referido bem comum e o bem de cada uma. A democracia é a organização participativa por excelência, designadamente na medida em que cada pessoa tem um voto e participa nas diferentes decisões coletivas; fala-se de democracia política, mas também se pode falar da cultural, da social, da económica, e até da ecológica tendo em conta o relacionamento equitativo de todos nós com os bens da terra. Aliás, o princípio, já aqui descrito, do destino universal dos bens respeita a isto mesmo.
Justifica-se falar de participação na família, na associação, na instituição, na empresa, na escola… e não só na autarquia local, estado regional ou estado central; trata-se de modalidades diferentes de democracia, mas que encerram o essencial desta, isto é, a participação em pé de igualdade, respeitando as diferenças e particularidades.

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…