Opinião

Banner - OPINIAO Acacio F Catarino_sociologo

Princípio da participação

Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas, escolas, autarquias locais, Estado central… Nisto consiste a realidade da participação, e daqui decorre o respetivo princípio. Segundo a doutrina social da Igreja, este princípio desdobra-se em três linhas fundamentais: 1ª. A participação não pode afetar a identidade pessoal nem a dignidade de cada pessoa; 2ª. Há direitos e deveres de cada um de nós para com outrem, e vice-versa; 3ª. Numa sociedade ideal, todas as pessoas reconhecem a igual dignidade das outras, diligenciando que tudo concorra a favor do bem comum e do bem de cada uma (cfr. o «Compêndio da Doutrina Social da Igreja», 2004, nºs. 189-191).
Cada pessoa é uma totalidade, mas não é uma divindade. Por isso são designadas «totalitárias» as pessoas e estruturas que pretendem dominar tudo e todas as outras, como falsos deuses; cada pessoa, no relacionamento com as outras, é simplesmente uma parte em relação a elas, procurando, com elas, o referido bem comum e o bem de cada uma. A democracia é a organização participativa por excelência, designadamente na medida em que cada pessoa tem um voto e participa nas diferentes decisões coletivas; fala-se de democracia política, mas também se pode falar da cultural, da social, da económica, e até da ecológica tendo em conta o relacionamento equitativo de todos nós com os bens da terra. Aliás, o princípio, já aqui descrito, do destino universal dos bens respeita a isto mesmo.
Justifica-se falar de participação na família, na associação, na instituição, na empresa, na escola… e não só na autarquia local, estado regional ou estado central; trata-se de modalidades diferentes de democracia, mas que encerram o essencial desta, isto é, a participação em pé de igualdade, respeitando as diferenças e particularidades.

Outras notícias em Opinião

  • As sementes na sua dieta

    O equilíbrio é extremamente importante na dieta diária, bem como o fraccionamento e a diversidade. As sementes são uma opção uma vez que conferem diversidade,…

  • Extraordinários. Manuel Castelhano

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Exalte-se a boa gestão, numa semana em…

  • Vinho contribui para o pão de um milhão de portugueses

    Na agricultura alcobacense de há sessenta e tal anos, não havia semana-inglesa, muito menos americana, que seria considerada uma modernice, sem viabilidade. Só não se…

  • Uma figura que emerge

    O Alcoa noticiou, na última edição, que o novo presidente da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa) é o bispo de Setúbal, D. José Ornelas. Tendo tomado…

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…