Atual

Sabor e qualidade provenientes da torra artesanal distinguem Ytuano

compre-o-que-é-da-regiao-cafes-(4)_site

Nome: Samarra II
Início de atividade: 2014
Empregos criados: 5
Volume Anual de Faturação: 350 mil euros por ano
Localização: Alcobaça, rua de Santa Maria, 14, Qt.ª do Telheiro – Apt.88, 2460-080 Alcobaça
Contactos: Tel.: 262 581 749 / 937 412 708 | Email: cafesytuano@gmail.com /
Website: http://www.cafes-ytuano.com/
Facebook: www.facebook.com/pg/cafesytuano/about/

A marca chama-se Ytuano; o sabor evidencia autenticidade e pureza; o café mantém-se fiel à natureza e à arte da torrefação. Nas palavras do gerente, António Carneiro, a “diferenciação passa pela qualidade e pelo processo físico que respeita os tempos do café”, sendo que “só com paixão e dedicação por aquilo que se faz se consegue vingar no mercado”.
Na verdade, a Samarra II, empresa que António Carneiro gere desde 2014, nasceu da paixão pelo café do seu tio António Varela, que estudou e aperfeiçoou todo o processo de produção e que ainda hoje mantém um papel importante na empresa, sediada em Alcobaça. Entusiasmo e saber que passou ao sobrinho, mantendo a ambição de produzir cafés com sabor distintivo e elevados padrões de qualidade.
“Esta é uma daquelas atividades que quanto mais nos entranhamos, mais apaixonados ficamos, algo que me foi transmitido pelo meu tio”, refere António Carneiro, explicando que trabalham o café nas suas várias formas: em grão, moído e até em cápsulas. Pautando-se sempre pelo processo artesanal de torrefação, “que deveria ser obrigatório para todas as empresas”, defende o gerente, de 52 anos.
A Samarra II oferece ao cliente “só café, não adulterando minimamente nada e optando por uma seleção criteriosa do produto”, o que explica a qualidade dos cafés Ytuano, que tem vindo gradualmente a ser reconhecida. O exemplo mais recente foi o primeiro prémio de Melhor Café – Domus Taste Award 2016, numa prova cega realizada em novembro passado, num concurso que tinha como objetivo promover, a nível nacional e internacional, o café português.
A distinção foi confirmada pelo aumento da procura, com os principais clientes sediados essencialmente na Grande Lisboa. Como adianta o gerente, “no mercado direto e de topo, temos cerca de 70 clientes e, mais recentemente, nos últimos dois meses, houve um crescimento na região de Alcobaça, com abertura de oito clientes”. António Carneiro elege como próximos objetivos a reestruturação ao nível dos compradores, a contratação de mais duas pessoas e uma faturação próxima do meio milhão de euros, sendo igualmente “importante conseguir mudar de instalações”.
Curto, cheio ou pingado, saboreie e delicie-se!

Outras notícias em Atual