Opinião

Banner - OPINIAO Carlos Bonifacio

Um pesadelo real!

Não restam muitas dúvidas que esta crise pandémica está para durar enquanto a comunidade científica não descobrir uma vacina ou um tratamento. Ninguém sabe com rigor (na altura que escrevo estas linhas), se a disseminação do vírus estabilizou e se vai haver uma 2ª vaga lá para Outono mais forte que a 1ª. O grau de incerteza continua a dominar o período que vivemos. Já se percebeu que a estratégia passa por arrastar esta pandemia no tempo para evitar a rotura do Serviço Nacional de Saúde o que é sensato e compreensível.
Assim, com o prolongar das medidas de contenção e com o confinamento social, agora em “Estado de Calamidade” o país vai entrar em recessão e tenho dúvidas que este governo suporte sozinho tal impacto que começará “doer” fortemente em breve!
Legislar é fácil, o difícil é encontrar recursos para tamanha despesa que se avizinha!
Muita gente ainda não acordou! O pagamento da Lay-off simplificada a milhares de empresas que têm centenas de milhares de trabalhadores, a quebra de receitas, o uso de empréstimos do Orçamento de Estado a empresas e particulares, o esforço que tem quer ser feito na saúde, vão exaurir as finanças públicas.
As estimativas vindas do FMI, prevêem uma quebra do PIB de 8% e uma taxa de desemprego superior a 14%, será a pior das crises do último século! Garantir que não se vão pedir sacrifícios é criar falsas ilusões nos Portugueses. No final de Junho o Estado ficará sem recursos financeiros e o dinheiro que virá da UE terá que mais tarde ser devolvido. Pensar que os alemães, os holandeses ou austríacos vão pagar a nossa factura é um absurdo! Basta só imaginar que desta vez também eles têm que pagar a sua! Que ninguém tenha dúvidas esta crise vai ser paga por todos nós, sempre foi assim e assim será!
Neste mundo nada é adquirido e o que há umas semanas parecia ser um futuro risonho, um país de sucesso, com “superávit”, está hoje à beira de uma recessão nunca vista! Por tudo isto, o futuro não vai ser tarefa de um só governo ou de um só partido!

Outras notícias em Opinião