Opinião

Banner_PauloErnesto

Violência doméstica

A violência adquire variadas formas e expressões, desde a violência coletiva, na expressão de guerras; auto-infligida, no suicídio; violência interpessoal, entre parceiros; e a violência psicológica, social, sexual ou física. No ano passado, no nosso país, foram contabilizados 55 homicídios de mulheres e 22 outros casos de tentativa de homicídio por parte dos respetivos companheiros, o que enfatiza a necessidade de alerta.
O desenvolvimento de um quadro típico de violência doméstica decorre predominantemente num ciclo padronizado e em fases distintas. Num primeiro momento, assiste-se a um aumento de tensão com pressões acumuladas no quotidiano, acompanhadas de injúrias, assédio moral ou ameças por parte do agressor, criando uma sensação de perigo eminente na vítima. Numa fase seguinte, ocorre o ataque violento em que o agressor agride física e/ou psicologicamente a vítima, aumentando a violência do ato em frequência e intensidade. Na fase de «lua-de-mel», o agressor tenta manipular a vítima envolvendo-a emocionalmente, procurando redimir-se das agressões com promessas de mudança pessoal no futuro.
Há sinais e comportamentos que vão sendo revelados que podem indicar a presença de uma personalidade violenta e possessiva. A perceção antecipatória desses sinais, por parte das potenciais vítimas, deve levar a uma ação imediata de pedido de ajuda a entidades e instituições públicas.
O debate público desta temática e a denúncia de eventuais episódios de violência doméstica a todos diz respeito. Não tem a visibilidade desejada, como o número de golos de uma equipa de futebol, ou um debate político, mas merece a reflexão pública própria de uma pandemia, quanto mais não seja pelo número de vítimas que provoca. A crueldade em que as vítimas se veem envolvidas leva-as em muitos casos a suportarem durante demasiado tempo tal situação, seja por falta de condições financeiras ou por receio de comprometer a vida familiar e o afeto a que anseiam.

Outras notícias em Opinião

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…

  • Opinião. O elixir da vida eterna

    É mesmo simples: «Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna, e Eu ressuscitá-lo-ei no último dia» (Jo 6,…

  • Um caminho por baixo de terra

    Inesperadamente (29 de Junho), o Papa Francisco entregou ao Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, nove fragmentos ósseos de há dois mil anos, provenientes de uma tumba…