Opinião

Banner - OPINIAO joao barbosa_gestor

A “armadilha” da autenticidade

Escrevo este artigo no dia 1 de Julho de 2019. Inicia hoje mais uma semana, mais um mês e mais um semestre, o 2º semestre do ano. Um novo ciclo, uma renovada oportunidade para mudarmos algo para melhor nas nossas vidas. Bem, na verdade em cada dia que nasce, nasce uma oportunidade. Por vezes mudar algo no nosso comportamento, partilhar um ensinamento, tomar uma iniciativa diferente, ou assumirmo-nos perante questões importantes para a comunidade pode revelar-se difícil para nós próprios, para a nossa autoconsciência. É frequente observar que tendemos a fixar limites sobre o que podemos e conseguimos fazer, criar, inspirar. O autojulgamento pode levar-nos a pensar, em situações de crescimento que implicam tensão (como por exemplo falar em público), em questões como: “O que será que as pessoas estão neste momento a pensar de mim?” ou “Vão descobrir que não sou um profundo conhecedor da matéria?”. A consciência da nossa identidade pode limitar o nosso crescimento, ser o nosso maior bloqueio, e essa é uma “armadilha” a considerar. Sair da nossa zona de conforto, posicionarmo-nos de forma distinta pode fazer-nos sentir como “impostores”, como se estivéssemos a ser “inautênticos”. Importa contudo considerar que geralmente a sociedade é mais condescendente connosco do que nós próprios sobre o nosso “EU”. Quantos talentos submersos temos entre nós, ocultados por um manto de convenções sociais que se movem, silenciosamente, para que estejamos devidamente “catalogados”? Impossível saber, contudo conheço pessoalmente alguns exemplos; pessoas da vida real com muito potencial mas “amarradas” a um contexto que não lhes possibilita expandir limites como poderiam fazer. Eu próprio, em várias situações que me recordo. A mudança exige esforço, frequentemente algum risco, e novos hábitos. Mudar implica alargar a consciência de um EU que se transforma e abre perspectivas. Recordo a máxima de Heráclito: “Nada é permanente exceto a mudança”.

Outras notícias em Opinião

  • Um caminho por baixo de terra

    Inesperadamente (29 de Junho), o Papa Francisco entregou ao Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, nove fragmentos ósseos de há dois mil anos, provenientes de uma tumba…

  • Casa Museu Vieira Natividade para quando?

    Há uns meses equacionou-se a possibilidade de estabelecer um protocolo entre a DGPC (entidade que gere o Mosteiro de Alcobaça) e o Município de Alcobaça…

  • Voltaram os profissionais da greve

    Quando as televisões interpelam os utentes dos serviços atingidos por greves obtêm, em regra e infelizmente, respostas como esta, que registei há dias: “Sinto-me muito…

  • O retrato da aviadora

    O melhor retrato de Guadalupe Ortiz de Landázuri é ao lado de um avião, com uma amiga, em 1932. Um biplano da época, com um…

  • Não faz falta “usted”

    Esta semana, fez escala em Lisboa um amigo que não via há muito tempo e tem a sorte especial de ser argentino (com ascendentes portugueses)…

  • Da igual dignidade humana

    No artigo anterior foram enumerados os princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo «Compêndio»: dignidade da pessoa humana; bem comum; destino universal dos…

  • O braço de ferro

    Numa homilia de Abril, o Papa falou de lutar com Deus até O conseguir vencer. Não é pouco atrevimento, desafiar Deus para um braço de…

  • A desgraça a que chegou o IC2

    A situação em que se encontra o IC2, entre a Zona do Alto da Serra no Concelho de Rio Maior e Alcoentre no Concelho da…

  • Da Doutrina Social da Igreja

    Entende-se por doutrina social da Igreja (DSI) o conjunto de orientações, para os domínios socioeconómico, político e ecológico, provenientes do Evangelho e de toda a…

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…