Opinião

Banner_CarlosBonifacio

A corrupção e o tráfico de influências minam a sociedade

Estão em curso várias investigações que envolvem altas figuras que representaram o Estado. Bem sei que ainda ninguém está acusado, nem sei se alguém o chegará a ser. Com o perigo de julgamentos precoces, falar em casos particulares pouco significado tem nesta altura. Tornou-se um “clichê” afirmar que ninguém está acima da lei. Mas muitos duvidam desta máxima. O poder judicial, por sua vez, quer dar um sinal claro de que não há uma justiça para poderosos e outra para os restantes. Sem defender uma justiça “justiceira”, espero apenas que os processos e os resultados não se arrastem no tempo, como quase sempre acontece. Bem sei que parte significativa da população não quer saber de investigações, vai continuar a entreter-se com “fait divers” e é até, muitas vezes condescendente com estes fenómenos. É comum ouvir-se “encheu-se, mas fez obra”. Enquanto, alguns são pouco exigentes, não querendo saber das coisas públicas, outros vão tirando vantagens e enriquecendo num ápice, não se sabendo exatamente como, mas à custa precisamente daqueles que cansados da política se conformam em sobreviver com pouco e resignados com o futuro.
Mas o que é verdadeiramente preocupante é que há um conjunto de pessoas neste país, pelos lugares que desempenham ou desempenharam, pelas informações privilegiadas que possuem, pelas relações que detêm com o poder político, presumem que podem usar o poder do Estado e informações para tirar vantagens de todo o género, para si ou para alguém próximo.
A corrupção e o tráfico de influências manifestam-se de várias formas e não é só nos países menos desenvolvidos. Nas sociedades mais avançadas este fenómeno está presente de forma mais subtil e inteligente, mas com os mesmos objetivos: fazer enriquecer e trazer vantagens a uns, em prejuízos de outros. Em certa medida, instalou-se a ideia de que quem atinge determinados lugares, tem que justificar esse lugar com um favor e, a partir daqui, a teia vai alastrando parecendo não ter fim. Mas um dia, isto vai ter que acabar, a bem do povo, da política e dos políticos…

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…