Opinião

Banner_CarlosBonifacio

A corrupção e o tráfico de influências minam a sociedade

Estão em curso várias investigações que envolvem altas figuras que representaram o Estado. Bem sei que ainda ninguém está acusado, nem sei se alguém o chegará a ser. Com o perigo de julgamentos precoces, falar em casos particulares pouco significado tem nesta altura. Tornou-se um “clichê” afirmar que ninguém está acima da lei. Mas muitos duvidam desta máxima. O poder judicial, por sua vez, quer dar um sinal claro de que não há uma justiça para poderosos e outra para os restantes. Sem defender uma justiça “justiceira”, espero apenas que os processos e os resultados não se arrastem no tempo, como quase sempre acontece. Bem sei que parte significativa da população não quer saber de investigações, vai continuar a entreter-se com “fait divers” e é até, muitas vezes condescendente com estes fenómenos. É comum ouvir-se “encheu-se, mas fez obra”. Enquanto, alguns são pouco exigentes, não querendo saber das coisas públicas, outros vão tirando vantagens e enriquecendo num ápice, não se sabendo exatamente como, mas à custa precisamente daqueles que cansados da política se conformam em sobreviver com pouco e resignados com o futuro.
Mas o que é verdadeiramente preocupante é que há um conjunto de pessoas neste país, pelos lugares que desempenham ou desempenharam, pelas informações privilegiadas que possuem, pelas relações que detêm com o poder político, presumem que podem usar o poder do Estado e informações para tirar vantagens de todo o género, para si ou para alguém próximo.
A corrupção e o tráfico de influências manifestam-se de várias formas e não é só nos países menos desenvolvidos. Nas sociedades mais avançadas este fenómeno está presente de forma mais subtil e inteligente, mas com os mesmos objetivos: fazer enriquecer e trazer vantagens a uns, em prejuízos de outros. Em certa medida, instalou-se a ideia de que quem atinge determinados lugares, tem que justificar esse lugar com um favor e, a partir daqui, a teia vai alastrando parecendo não ter fim. Mas um dia, isto vai ter que acabar, a bem do povo, da política e dos políticos…

Outras notícias em Opinião

  • As sementes na sua dieta

    O equilíbrio é extremamente importante na dieta diária, bem como o fraccionamento e a diversidade. As sementes são uma opção uma vez que conferem diversidade,…

  • Extraordinários. Manuel Castelhano

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Exalte-se a boa gestão, numa semana em…

  • Vinho contribui para o pão de um milhão de portugueses

    Na agricultura alcobacense de há sessenta e tal anos, não havia semana-inglesa, muito menos americana, que seria considerada uma modernice, sem viabilidade. Só não se…

  • Uma figura que emerge

    O Alcoa noticiou, na última edição, que o novo presidente da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa) é o bispo de Setúbal, D. José Ornelas. Tendo tomado…

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…